Share Button
Estudos Bíblicos

Salmo 49: O Homem Não Permanece

As injustiças e a futilidade da vida nos perturbam. Grandes debates políticos e até guerras tratam de questões de justiça social, mas as desigualdades continuam. Avanços médicos procuram vencer doenças e prolongar a vida, mas todos nós ainda caminhamos para a morte. Salmo 49, atribuído aos filhos de Corá, trata desses temas. Em poucas palavras, esse hino apresenta algumas das verdades enfatizadas no livro de Eclesiastes e encontradas em outros livros, como Jó e Provérbios. É corretamente considerado um Salmo sapiencial, ou seja, um cântico de sabedoria. Serve como um bom exemplo de um hino que aconselha e instrui, como os cânticos usados na adoração a Deus devem fazer (Colossenses 3:16).

O Salmo inicia com um convite para todos, pobres e ricos, ouvirem sua mensagem (versos 1 a 4). Sua mensagem principal, e o ponto de encontro entre os dois temas de injustiça e futilidade, envolve a certeza da morte e as suas implicações para os vivos, não importa sua posição socioeconômica.

Depois de chamar os povos para ouvir a mensagem, o autor começa com uma pergunta (versos 5 e 6): por que ficar preocupado com a opressão por parte dos ricos e injustos que confiam nos seus bens? A resposta apresentada nos versos seguintes inclui vários pontos importantes. Um dos mais interessantes é uma afirmação da doutrina da graça, encontrada no contraste entre versos 7 e 15. Primeiro, o salmista nega a possibilidade da salvação por mérito: “Ao irmão, verdadeiramente, ninguém o pode remir, nem pagar por ele a Deus o seu resgate” (verso 7). Ninguém consegue se salvar (Efésios 2:8-9) e nenhum mero humano é capaz de salvar outros (Ezequiel 14:14). O salmista completa o argumento quando declara a graça de Deus: “Mas Deus remirá a minha alma do poder da morte, pois ele me tomará para si” (verso 15).

Tanto os sábios quanto os estultos e ineptos caminham para a morte (verso 10). Aqueles que confiam nas riquezas e acham possível deixar para trás algo que vai durar são insensatos. Podem fazer grandes construções, mas elas serão destruídas. Podem deixar seus nomes nas suas terras, mas nomes mudam e homens são esquecidos. “Todavia, o homem não permanece em sua ostentação; é, antes, como os animais, que perecem” (verso 12). O homem que pensa somente nas coisas desta vida terrestre vive uma existência fútil, como se fosse um mero animal.

O dinheiro perde seu valor na morte. Todos temos visto adesivos em carros com o ditado popular: “Nasci careca, pelado e sem dente. O que vier é lucro”. Ricos podem acumular muitos bens, mas servem apenas para esta vida. Jesus reforçou este fato na parábola de um rico que investia no seu negócio sem pensar na sua mortalidade, nem na necessidade de servir a Deus (Lucas 12:16-21). Jó completou o que falta no ditado popular quando disse: “Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei” (Jó 1:21). Não levaremos nada dessa vida para a eternidade, como diz esse salmista: “pois, em morrendo, nada levará consigo, a sua glória não o acompanhará” (verso 17). Priorizar investimentos em bens materiais é loucura: “Não te fatigues para seres rico; não apliques nisso a tua inteligência. Porventura, fitarás os olhos naquilo que não é nada? Pois, certamente, a riqueza fará para si asas, como a águia que voa pelos céus” (Provérbios 23:4-5).

Milhares de anos depois da composição desse Salmo, é comum ver as pessoas financeiramente bem-sucedidas receberem honra especial. São lisonjeadas e louvadas por seus semelhantes, “revestidos de honrarias” (verso 20). Mas o que adianta acumular muitos bens? Dentro de poucas décadas, essa vida terrestre acabará, e os bens ficarão para trás. O dinheiro não vai enganar a morte. Da mesma maneira que os animais morrem, o rico também morre (verso 20).

O que separa os homens, então, não é seu dinheiro, sua inteligência ou sua posição social, pois todos são mortais. Esse autor viu apenas uma distinção importante: estar ou não em comunhão com Deus.

Ninguém é capaz de se salvar. Ninguém é capaz de salvar os outros. A nossa única esperança da salvação e da vitória eterna é pela confiança em Deus e sua graça.

-por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA