Share Button
Estudos Bíblicos

Salmo 74: Lembra-te do Monte Sião

O povo de Israel, escolhido por Deus e tratado com privilégios especiais durante séculos, se encontrou na angústia do cativeiro e procurou entender por que Deus havia abandonado sua nação. Seja de natureza profética ou histórica, o Salmo 74, atribuído a Asafe, lamenta esse sofrimento e clama a Deus para restaurar sua comunhão com a nação.

Como outras grandes orações na Bíblia, esse hino é uma súplica baseada no caráter do Senhor. Os argumentos não são fundados nos merecimentos do povo, e sim na grandeza de Deus. O único sentido de mérito humano incluído nesse Salmo são os apelos para Deus castigar seus inimigos por causa das suas blasfêmias. Juntando essas duas perspectivas, o motivo para o Senhor salvar seu povo e castigar os inimigos é o mesmo: defender seu próprio nome. O salmista pede para Deus se lembrar da sua posição em relação ao povo, ao templo em Jerusalém e aos inimigos. Podemos seguir o raciocínio do hino, observando estes apelos:

“Lembra-te da tua congregação, que adquiriste desde a antiguidade, que remiste para ser a tribo da tua herança; lembra-te do monte Sião, no qual tens habitado” (verso 2). Desde as promessas feitas a Abraão, Isaque e Jacó e as proezas realizadas no livramento dos israelitas da escravidão no Egito, Deus havia trabalhado para criar e preservar o povo de Israel. Monte Sião, o local do templo em Jerusalém, foi visto como a habitação de Deus desde o reinado de Davi.

Agora, porém, o templo estava em ruínas: “Dirige os teus passos para as perpétuas ruínas, tudo quanto de mau tem feito o inimigo no santuário” (verso 3). Enquanto o salmista se preocupa com a restauração do povo, ele não defende as pessoas com sua história de rebeldia. A honra de Deus está em jogo, pois sua casa foi profanada. Ele continua com mais detalhes desses ultrajes: “Os teus adversários bramam no lugar das assembleias e alteiam os seus próprios símbolos” (verso 4). Os inimigos, povos que não reconheciam o verdadeiro Deus, levantaram seus ídolos no lugar onde os israelitas haviam adorado ao Senhor no templo mobiliado com os símbolos que ele ordenou. Mas o povo foi levado ao cativeiro na Babilônia e o templo foi destruído. Asafe descreve a circunstância dos judeus durante esse tempo de afastamento de Deus: “Já não vemos os nossos símbolos; já não há profeta; nem, entre nós, quem saiba até quando” (verso 9).

Quando Deus se lembrava do seu povo e do seu lugar especial, necessariamente se lembraria das blasfêmias dos povos rebeldes, o foco do final do Salmo:

“Lembra-te disto: o inimigo tem ultrajado ao SENHOR, e um povo insensato tem blasfemado o teu nome” (verso 18). O mérito da causa de Asafe não estava na justiça de Israel, pois não teria nenhuma defesa depois de séculos de rebeldia em escala nacional. Ele não disse que Israel merecia a salvação, e sim que Deus merecia (como ainda merece) a glória! A causa não foi do povo, e sim do seu Deus: “Levanta-te, ó Deus, pleiteia a tua própria causa; lembra-te de como o ímpio te afronta todos os dias. Não te esqueças da gritaria dos teus inimigos, do sempre crescente tumulto dos teus adversários” (versos 22 e 23).

Uma vez que a causa envolve a honra do Senhor, e não o mérito de Israel, faz perfeito sentido que vários versos são dedicados ao louvor pelas grandes obras de Deus. Ele cita “feitos salvadores” (verso 12) e demonstrações do domínio divino sobre toda a sua criação, até sobre os animais mais formidáveis (versos 13 e 14). Como Criador, ele controla o Universo e todos os aspectos da natureza (versos 15 a 17).

Com toda essa base da grandeza de Deus, Asafe pergunta, em tom humilde e reverente: Por quê? (versos 1 e 11). Essas perguntas também abordam o problema dos dois lados: (1) Por que Deus rejeitou seu povo? e (2) Por que ele não agia para castigar os inimigos?

O Salmo 74 é um apelo que encerra sem resposta. Só mais tarde na história podemos enxergar a resposta de Deus. No sentido imediato, ele libertou o povo do cativeiro e permitiu a reconstrução do templo e da cidade de Jerusalém. No sentido maior, ele enviou Jesus para oferecer a verdadeira salvação para aqueles que o buscam. Deus não se esqueceu do seu povo. Ele levantou e agiu!

-por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA