Share Button

Salmo 41: Na Doença, Tu lhe Afofas a Cama

A fórmula adotada por Jesus nas frases iniciais do Sermão do Monte se encontra em vários dos Salmos, entre eles o Salmo 41: “Bem-aventurado o que acode ao necessitado, o SENHOR o livra no dia do mal” (verso 1; compare com as bem-aventuranças em Mateus 5:3-12). Com esta frase, Davi começa esse hino sobre o cuidado que Deus oferece aos fiéis, mesmo nos momentos mais difíceis da vida. A citação do verso 9 nos comentários de Jesus sobre a traição por Judas Iscariotes injeta nesse cântico um elemento messiânico (João 13:18; Mateus 26:23; Marcos 14:18-20).

Salmo 41 se divide em três partes principais.

Na primeira, Davi afirma a fidelidade de Deus para com os seus servos (versos 1 a 3). Ele vai falar ainda sobre os inimigos, mas somente depois de lembrar da grandeza e da fidelidade de Deus. Enquanto muitos pastores hoje engrandecem o nome de Satanás com sua fixação em supostas possessões demoníacas, Davi começa e termina com Deus, dando pouca atenção aos adversários. A fidelidade do servo, nesse caso, é definida por sua obediência ao segundo grande mandamento (Mateus 22:39), de amor ao próximo. A fidelidade de Deus é descrita com seis ações positivas e uma negativa. O que Deus faz para seu servo? Ele o livra, protege, preserva, faz feliz, assiste no leito de enfermidade e afofa a cama na doença. Essa última expressão, encontrada no verso 3, sugere um carinho especial de Deus para com o homem fiel. Junto com esses verbos ativos e positivos, há uma expressão negativa. O que Deus não faz? Não entrega o fiel aos seus inimigos.

Na segunda, Davi admite a realidade do seu sofrimento, focando dois aspectos principais. Por um lado, ele viu seu sofrimento como consequência dos seus pecados, e buscou a reconciliação com Deus (verso 4). Esse fato exclui uma interpretação exclusivamente messiânica do Salmo, pois Jesus nunca cometeu pecado (1 Pedro 2:21-22; Hebreus 4:15). Mas Davi pecou, e reconheceu a justiça do castigo que recebeu. Mesmo assim, ele não queria que sua enfermidade fosse motivo de exaltação e triunfo dos seus inimigos (versos 5 a 9). Davi sugere uma distinção que fica clara em vários trechos das Escrituras. Embora o sofrimento nem sempre venha como resultado do pecado do sofredor, Deus disciplina seus filhos, sim (Hebreus 12:4-11). Mas a disciplina não tem o intuito de destruir o filho que errou, nem de justificar a vingança dos seus inimigos. Foi nesse sentido que Davi pediu livramento daqueles que falavam mal dele e desejavam que o sofrimento aumentasse.

Enquanto Davi fala dos seus inimigos, ele comenta sobre a parte da história mais difícil de encarar: a traição por um amigo íntimo. Na experiência de Davi, houve vários casos que se enquadrariam nessa linguagem, envolvendo familiares, ministros no seu governo e pessoas que recebiam sua proteção. Suas palavras foram empregadas por Jesus para explicar o papel de Judas em entregá-lo aos judeus. Davi escreveu: “Até o meu amigo íntimo, em quem eu confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o calcanhar”“Até o meu amigo íntimo, em quem eu confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o calcanhar” (verso 9).

A terceira parte do Salmo mostra a confiança do Salmista na justiça de Deus, palavras que podem ser facilmente aplicadas à vitória de Jesus sobre seus adversários na sua ressurreição e ascensão à presença do Pai. Davi escreveu: “Tu, porém, SENHOR, compadece-te de mim e levanta-me, para que eu lhes pague segundo merecem. Com isto conheço que tu te agradas de mim: em não triunfar contra mim o meu inimigo. Quanto a mim, tu me susténs na minha integridade e me pões à tua presença para sempre” (versos 10 a 12).

O último verso do Salmo encerra o primeiro de cinco livros, as divisões maiores desse hinário, como uma doxologia (palavra de glória): “Bendito seja o SENHOR, Deus de Israel, da eternidade para a eternidade! Amém e amém!” (verso 13; comparar com as doxologias no fim dos outros livros (Salmos 72:18-19; 89:52; 106:48; 150:1-6).

O livramento de Davi foi um vislumbre da vitória de Jesus, que venceu seus inimigos e “...publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz” (Colossenses 2:15). Pedro disse que Deus ressuscitou Jesus, “...rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela” (Atos 2:24). Jesus venceu!

-por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA