Share Button

O Salmo de "Por quê?"
(Salmo 73)
por John M. Kilgore

"Com efeito, Deus é bom para com Israel, para com os de coração limpo!" (73:1) e "Com efeito, inutilmente conservei puro o coração e lavei as mãos na inocência.  Pois de contínuo sou afligido, e cada manhã, castigado" (73:13-14).  Entre estas duas declarações de Asafe, ambas introduzidas por "com efeito", encontra-se um caminho penoso, ligando o vale da desilusão e da dúvida ao topo da montanha da confiança e da certeza.  A jornada foi necessária pela realidade do mundo de Asafe, onde ele observava a prosperidade e a proteção dos ímpios (73:3) e as dores e aflições dos justos (73:13-14), e perguntava "Por quê?"  Por que um bom Deus permite esta injustiça?  É ele realmente bom para Israel, o puro de coração?  Para Asafe, esta não era meramente uma questão interessante para ser debatida na academia, pois ele era aquele que sofria, até o ponto de ser invejoso dos arrogantes ímpios (73:3) e de questionar o valor de manter puro seu coração (73:13).  Se Asafe ia manter sua fé na bondade de Deus, ele tinha que ter uma resposta (73:2).

A interrogação a Deus é como uma espada de dois gumes.  Ela pode cortar com ambos os fios:  um para a descrença e o outro para a fé.  No caso dos judeus com Jesus, suas perguntas marcavam sua descida para a cova do ódio e do homicídio. Numa ocasião, Jesus até caracterizou o interrogatório deles como indicação de uma geração má e adúltera (Mateus 12:39).  Mas no caso de Asafe, e de todos os discípulos verdadeiramente devotos, ele é essencial para subir ao topo da confiança na bondade e justiça de Deus.  Perguntar a Deus "por quê" é arriscado, mas necessário.

A interrogação a Deus leva à destruição de nossa fé, quando nossas perguntas vêm de nosso orgulho.  Uma resistência a aceitar a evidência que já nos foi dada por Deus e exigir mais implica em que a Deus falta evidência verdadeiramente convincente.  Se Deus ao menos nos desse evidência verossímil, acreditaríamos.  Este engano de nós mesmos, freqüentemente disfarçado de intelectualismo e "mentalidade aberta" é, na realidade, a conseqüência de uma vontade endurecida.  Os escribas e fariseus, que já tinham conversado sobre como poderiam destruí-lo (Mateus 12:14), continuavam pedindo um sinal (Mateus 12:38).  Esta charada de investigação honesta foi exposta por Jesus como o que, de fato, era:  corações autoritários e teimosos ficando mais e mais duros.  Quando Deus quer que creiamos no incrível, ele nos dá evidência suficiente para assim fazer (Gideão e sua lã, Juízes 6:34-40).  Rejeitar sua evidência e exigir mais é endurecer nossos corações contra a fé.

A interrogação a Deus a partir de um elevado sentido de importância de nossas circunstâncias físicas também vem do orgulho e também destruirá a fé.  Este raciocínio permite ao efêmero ter maior importância do que o eterno e coloca nossa satisfação na terra no centro do universo, assim destronando Deus.  Para os homens, sentarem-se para julgamento da bondade de Deus, especialmente do ponto de vista de nossa própria "felicidade" física, é arrogância.

Asafe quase tropeçou (73:2), quando começou a invejar os arrogantes ricos.  Em essência, ele disse que Deus lhe era devedor.  Sua pureza o exigia.  Certamente que Deus não pode esperar que o sirvamos a troco de nada (73:13).  É irônico que seja a arrogância que produz a inveja do arrogante.

Felizmente, Asafe mudou seu curso de interrogação e, no processo, recebeu uma fé maior.  Ele ilustra que interrogar a Deus com humilde vontade de superar nossas dúvidas edifica a fé.  "Eu creio!  Ajuda-me na minha falta de fé" (Marcos 9:24).

Quando a dor é usada como o megafone de Deus para chamar nossa atenção, nossos "por quês?" podem produzir uma fé mais profunda, pois agora estamos prontos para ouvir a Deus.  Entramos no santuário de Deus para sermos guiados por sua revelação.

Este tipo de interrogação nos capacita a ver de novo o Deus da História, o que ele tem feito, e onde ele (História) está indo (73:15-17).  Agora podemos ver o fim a partir do princípio e saber o que subsistirá (73:18-20).  Ouvindo-o, podemos ver que, quando estamos amargurados intimamente, somos como um animal ignorante sem sentimentos (73:21-22), mas quando estamos dentro do alcance de sua mão, estamos destinados à glória (73:23-24).  Este tipo de "por quê?" nos levou ao Deus de nosso maior bem para fazer dele nosso refúgio.  Proclamaremos "todos os seus feitos" (73:28).

Nosso Deus não é tão fraco que não possa enfrentar nossas perguntas, nem tão fraco que precise acomodar nosso orgulho.


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA