O Livro de Joel

por Dennis Allan


Introdução ao Livro

O que sabemos sobre Joel vem do próprio livro. Estudiosos sugerem várias datas, mas reconhecem que as evidências não são conclusivas. Alguns sugerem uma data no século IX a.C. e outros colocam o livro depois do cativeiro, no século VI ou V a.C.

O nome Joel significa "Jeová é Deus". Ele era filho de Petuel, também desconhecido fora deste livro.

Independente da biografia do autor e a data de composição, a mensagem do livro é clara. Joel avisa sobre a vinda do Dia do Senhor, um dia de escuridão e castigo. Mas, a mensagem tem outro lado, um lado muito mais positivo. Das trevas vem a luz, e Joel profetiza sobre a descida do Espírito Santo e as conseqüentes bênçãos espirituais derramadas sobre os que invocam o nome do Senhor (Atos 2:16-21).

Leia mais:

A Revelação de Deus: Uma Vista Panorâmica da Bíblia 


Joel 1

1:1-3

Deus revelou a sua mensagem por meio de Joel, filho de Petuel (1).

O evento que serve de pano de fundo para a profecia (a praga de gafanhotos descrita a partir do versículo 4) foi uma calamidade inédita na experiência do povo (2-3).

1:4-7

Joel descreve quatro etapas da destruição dos gafanhotos (4):

(1) Cortador

(2) Migrador

(3) Devorador

(4) Destruidor

Cada onda comeu o que restou depois da anterior, deixando a terra nua.

Joel desperta os bêbados para lamentar a destruição, pois a fonte do seu vinho foi destruída (5).

Ele descreve o ataque dos gafanhotos como se fosse um forte exército invadindo a terra (6-7).

1:8-13

A destruição da praga trouxe sofrimento e lamentação, como a tristeza de uma noiva que já perdeu o seu marido (8).

Os sacerdotes lamentam a falta de ofertas, conseqüência da destruição dos produtos do campo (9-10,13).

Todas as classes do povo sofrem por causa desta destruição (11-12).

1:14-20

Depois de descrever a severidade do sofrimento, Joel sugere uma resposta do povo: Chamar o povo à casa do Senhor para clamar a Deus (14).

**Obs.: Os líderes identificados aqui são sacerdotes (9) e anciãos (14). Alguns sugerem que a falta de menção de rei ou príncipe indique uma data depois do cativeiro quando não havia rei em Israel (veja Oséias 3:4).

O Dia do Senhor (15-18):

(1) Está perto (15). Joel avisa sobre a proximidade deste dia. A praga dos gafanhotos não foi a calamidade principal; foi simplesmente um precursor avisando de coisas piores.

(2) É dia de assolação (15-18). A tendência judaica seria esperar o dia do Senhor como dia de castigo dos inimigos e libertação do povo de Israel. Mas Joel apresenta o dia como um de assolação e maior sofrimento. É um dia para temer, não esperar.

Vendo a destruição e o sofrimento, Joel clama ao Senhor (19).

Até os animais clamam ao Senhor por falta de pasto e água (20).

Leia mais:
A Volta do Senhor
 
A Terra de Israel
 
Guerras e Rumores de Guerras
 
A Contenda de Deus
 
Coisas que Deus Aborrece 

Sofrimento
 
Testando os Profetas
 
Uma Rua sem Saída
 


 

ESTUDOS BÍBLICOS     PESQUISAR NO SITE     MENSAGENS EM ÁUDIO    
MENSAGENS EM VÍDEO   
ESTUDOS TEXTUAIS    ANDANDO NA VERDADE  
O QUE ESTÁ ESCRITO?
  
O QUE A BIBLIA DIZ?

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©2014 Karl Hennecke, USA