Share Button

Terceira Parte: A Defesa Final de Jó e a Réplica de Eliú
Lição 4: O terceiro discurso de Eliú e a Conclusão (35:1 - 37:24)


I. O terceiro discurso de Eliú (35:1-16)

A. Eliú cita as queixas de Jó (35:1-3).

1. A citação no versículo 2 ("Maior é a minha justiça do que a de Deus?") não parece ser uma citação real de Jó, mas antes a percepção de Eliú da opinião de Jó.

2. Enquanto a citação no versículo 3 também não parece ser uma citação palavra por palavra, ela parece conter o sentido das palavras de Jó em 9:28-31.

B. Eliú replica às alegações de Jó (35:4-8).

1. A referência a "amigos" (v. 4) provavelmente significa outros com a atitude de Jó , antes que seus três amigos Elifaz, Bildade e Zofar.

2. Ele chama a atenção de Jó para o fato de que um Deus transcendente não é afetado (ajudado ou atingido) nem pela justiça do homem nem pela impiedade (vs. 5-7).

3. Eliú não parece estar dizendo que Deus é indiferente ao comportamento do homem (veja 36:5-15).

4. Outros homens são afetados pelo comportamento de um homem (v. 8).

C. Eliú explica porque Deus deixa de aliviar algum sofrimento (35:9-13).

1. Os oprimidos clamam (v. 9), mas Deus não responde (v. 12).

2. Eliú sugere que a razão porque Deus não responde é porque aqueles que clamam freqüentemente o fazem sem intenção de reconhecer a soberania de Deus ou glorificá-lo, pois são muito orgulhosos (vs. 10-12).

D. Eliú repreende Jó (35:14-16).

1. Eliú observa Jó dizer que apresentou seu caso e não pode encontrar Deus para ouvi-lo. Eliú aconselha-o a ser paciente, porque Deus conhece sua situação e agirá (v. 14).

2. Jó disse que ansiava por um encontro face a face com Deus para apresentar seu caso (por exemplo, 23:3-5).

3. Eliú afirma que Jó, porque Deus não agiu rapidamente, entregou-se a conversa vã e tola (vs. 15-16).

II. A conclusão de Eliú (36:1 - 37:24)

A. Eliú reafirma a justiça de Deus (36:1-15).

1. Eliú roga paciência de Jó porque tem mais o que dizer (vs. 1-4). Se Eliú estiver falando de si mesmo no versículo 4, como parece provável, sua arrogância é um tanto irresistível (contudo, veja 37:16 que fala de Deus).

2. Eliú apoia sua afirmação da justiça de Deus descrevendo-a.

a. Ele exalta os justos e deserda os ímpios (vs. 6-7).

b. Se os justos de fato sofrem, sua dor é disciplinar por natureza. Se eles gozarem de prosperidade ou perecerem no futuro, depende deles receberem adequadamente o castigo de Deus (vs. 8-12; observe o mesmo argumento em 33:14-30).

3. Eliú descreve aqueles que não se converterão de seu pecado e retrata o seu fim (vs. 13-15).

a. Observe a similaridade entre o discurso de Eliú aqui e o de Elifaz (cap. 15).

b. "Prostitutos cultuais" é provavelmente uma referência a prostitutos masculinos do templo. É também provável que estes indivíduos fossem homossexuais (veja 1 Reis 14:24; Deuteronômio 23:17).

B. Eliú acautela Jó (36:16-25).

1. Eliú aplica os princípios que acaba de notar a Jó como uma explicação para o sofrimento contínuo de Jó (vs. 16-17).

2. Ele adverte Jó para que sua precipitação não faça com que Deus o destrua subitamente, lembrando que ele, Jó, não poderia impedir tal julgamento (vs. 18-19).

3. Eliú admoesta Jó a escolher suportar seu sofrimento do que voltar-se, em seu desencorajamento, para a iniqüidade (vs. 20-21).

4. Eliú continua advertindo Jó, asseverando implicitamente que ninguém tem direito a ensinar ou admoestar Deus (vs. 22-23).

5. A resposta adequada do homem a Deus é magnificá-lo (vs. 24-25).

C. Eliú ilustra a grandeza e o poder de Deus (36:26 - 37:13).

1. Eliú chama a atenção de Jó para a obra de Deus na natureza, particularmente para o seu domínio do tempo (nuvens, trovão, neve, chuva, vento, etc.).

a. Ele menciona diversos propósitos por trás dos atos de Deus: julgamento ou correção (36:31; 37:13); provisão de alimento (36:31); misericórdia (37:13).

b. Por diversas das suas afirmações (por exemplo, 36:29; 37:5, 7), torna-se aparente que o propósito de Eliú é impressionar Jó com a impotência do homem comparada com o poder de Deus.

2. Em minha opinião, Eliú sustenta belamente e com sucesso sua proposição, "Deus é grande" (36:26).

D. Eliú desafia Jó (37:14-24).

1. Ligado com a parte anterior, Eliú faz a Jó um número de perguntas destinadas ou a mostrar sua incapacidade para entender os atos de Deus ou a impotência de Jó diante de Deus (vs. 14-18).

2. Eliú, com uma ponta de zombaria, pergunta a Jó o que os homens deveriam dizer a Deus. Ele então, afirma que, para os homens falarem ignorantemente seria convidar a destruição, algo que Eliú não deseja fazer (vs. 19-20).

3. Eliú fala da inacessibilidade a Deus, mas afirma que o homem pode confiar em que ele seja justo e que, como resultado, os homens o reverenciem.

4. Eliú afirma que Deus não olha aqueles que são "sábios em seu próprio entendimento". Pode ser que Eliú fez esta afirmação tendo Jó em mente.

Perguntas Para Estudar:

Qual queixa de Jó Eliú cita (35:3)?

No sentido mais restrito, Deus é afetado pela justiça ou pela impiedade do homem? Por quê sim, ou por quê não?

O que Eliú pensa que seja a razão por que Deus deixa de aliviar o sofrimento de alguns homens apesar de seus clamores?

O que Eliú sugere que seja a razão pela qual pessoas justas às vezes sofrem?

Por que Jó não é próspero de novo, de acordo com Eliú?

Qual parece ser o ponto de Eliú em 36:26 - 37:13?

Discuta a resposta de Eliú referente ao sofrimento de Jó, comparado-a com os sofrimentos dos amigos. É sua explanação algo diferente? Na sua opinião, Eliú está mais perto da verdade? 


 

ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA