Share Button

Os Cegos e o Elefante

Uma parábola antiga, original da Índia, tem servido como base de poemas e ilustrações filosóficas ao longo dos séculos. John Godfrey Saxe, um poeta norte-americano do século 19, publicou uma versão dessa fábula em inglês. Ele falou de seis cegos que foram conhecer um elefante. Cada cego, tateando uma parte diferente do animal, chegou a uma conclusão diferente. O homem que encostou no corpo comparou o elefante com um muro. O cego que tocou a tromba entendeu que fosse como uma grande cobra. Quem apalpou a perna comparou o animal com uma árvore. O cego que pegou o rabo do enorme mamífero percebeu que fosse parecido com uma corda grossa. E assim em diante, cada pessoa, com sua percepção limitada de uma pequena parte da realidade, chegou a uma conclusão diferente. Discutiam as diferenças, mas o orgulho de cada um impediu que chegassem ao entendimento mais completo, e impossibilitou um final feliz e harmonioso.

A estória tem sido usada de forma interessante e instrutiva em diversas disciplinas. O ponto óbvio é de procurar entender toda a realidade de um assunto antes de defender um ponto de vista e rejeitar outro. Sem dúvida, há proveito prático em muitos aspectos da vida. Os últimos dois versos do poema de Saxe apresentam uma das aplicações comuns, a mesma que quero focar neste artigo. Traduzido do inglês ao português (e assim perdendo o ritmo e as rimas), a versão de Saxe termina com esta aplicação:

E assim esses homens do Hindustão discutiram com vigor por muito tempo,

Cada um em sua própria opinião demasiadamente rígida e forte,

Embora cada um estivesse, em parte, certo, todos estavam errados!

Então, muitas vezes, em guerras teológicas, os disputantes, eu acho,

Debatem em completa ignorância do entendimento dos outros,

E discutem sobre um elefante que nenhum deles jamais viu!

É claro que os possíveis usos dessa fábula são muitos, mesmo no contexto da teologia. No sentido mais estreito, a teologia é o estudo de Deus. Dessa perspectiva do poema, o elefante representa Deus e a conclusão comum é a defesa do pluralismo. Cada um tem sua perspectiva de Deus. Ninguém pode dizer que os outros estão completamente errados, nem pode defender seu conceito de Deus como o correto. Muitos pensam que a conclusão seria uma atitude de ser humildes e reconhecer nossa ignorância sobre Deus para podermos aceitar as perspectivas divergentes. Mas antes de usar a ilustração do elefante para nos assegurar que a ignorância espiritual e o pluralismo sejam desejáveis, vamos pensar sobre alguns fatos.

Deus é eterno e ilimitado, e assim muito além da capacidade humana de compreender. Ele é incomparável (Isaías 40:25) e sublime (Isaías 57:15). Seus pensamentos e seu amor são além da nossa compreensão (Isaías 55:8-9; Efésios 3:19).

O homem pode buscar e tatear para perceber que Deus existe (Atos 17:24-28; Romanos 1:19-20; Salmo 19:1). Alguns atributos de Deus podem ser vistos nas obras da natureza, mas esse meio de buscar a Deus não é suficiente para conhecer a sua vontade para suas criaturas humanas.

Vamos voltar à parábola do elefante e fazer uma pergunta sugerida por Kevin DeYoung, outro autor norte-americano: “E se o elefante falasse?”. Como seria diferente essa analogia se o elefante explicasse seus atributos e sua vontade para os cegos? Ele poderia dizer: “Sim, tenho tromba como uma cobra e perna como uma árvore, mas também tenho outras características que vocês precisam entender. E ainda mais, vocês devem fazer o que eu falo para viverem bem na minha presença”.

Essa antiga parábola indiana pode descrever a incapacidade humana de conhecer a Deus sem orientação e revelação, mas Deus tirou todas as nossas desculpas quando se revelou na pessoa de Jesus Cristo e nas palavras registradas nas Escrituras. Temos nossas limitações, mas a palavra de Deus nos mostra como superá-las para chegar ao conhecimento do Senhor! Os humildes não defendem sua ignorância; os verdadeiros humildes buscam conhecimento daquele que se revelou!

–por Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 500 -- Jarinu – SP -- CEP: 13240-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2017 Karl Hennecke, USA