Share Button

“Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?”

Durante a crucificação de Jesus, houve um período de três horas de escuridão. Não foi um eclipse solar, uma vez que a morte de Jesus aconteceu durante a fase da Lua Cheia (conforme a contagem dos dias para a Páscoa dos judeus), e eclipses solares acontecem quando a Lua está posicionada entre o Sol e a Terra, um fenômeno da Lua Nova. Muito mais do que um fenômeno astronômico, o período das trevas durante a crucificação representa o pior momento na história da batalha espiritual entre a luz e as trevas. Foi neste momento que, por todas as aparências, o mal havia vencido o bem. O Filho de Deus estava morrendo na cruz!

No final desse período, Jesus levantou a voz com um grito de profundo significado: “Eli, Eli, lamá sabactâni? O que quer dizer: Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Mateus 27:46; veja Marcos 15:34). As pessoas próximas à cruz não entenderam as suas palavras e achavam que Jesus estava chamando Elias para salvá-lo. Mas as palavras de Jesus vieram diretamente de um dos mais ricos salmos messiânicos. 1.000 anos antes de Cristo, o rei Davi escreveu as palavras que bem descreveriam o sofrimento do Ungido do Senhor na cruz. O Salmo 22, que apresenta os sentimentos de Cristo na cruz, inicia com as palavras que Jesus mesmo falou naquela tarde no Calvário: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Salmo 22:1).

Essas palavras, saindo da boca de Jesus, reforçam o nosso entendimento da gravidade do pecado, e aumentam o nosso aprecio pelo sacrifício que ele fez por nós.

O salário do pecado é a morte. Paulo afirmou esta verdade fundamental em Romanos 6:23. Desde o primeiro pecado humano no Jardim do Éden, o vínculo entre o pecado e a morte tem sido enfatizado nas Escrituras. Três fatos importantes são ensinados:

1) A morte de animais servia para mostrar a consequência do pecado, mas não resolve o problema. Os primeiros animais mortos foram os sacrificados para fazer roupas para cobrir a vergonha do pecado de Adão e Eva (Gênesis 3:21). Depois disso, muitos outros foram sacrificados como pagamento da penalidade dos pecados dos homens, porém não foram adequados para resgatar os pecadores, “porque é impossível que o sangue de touros e bodes remova pecados” (Hebreus 10:4).

2) O próprio pecador poderia morrer por seus pecados, mas não teria condições de se resgatar, ou seja, de se livrar da morte. Deus disse: “A alma que pecar, essa morrerá” (Ezequiel 18:20).

3) A consequência do pecado não é apenas a morte física e sim, a morte espiritual, ou seja, a separação de Deus. Por isso, Deus disse que os pecados de Israel causaram a separação entre o povo e Deus (Isaías 59:1-2), e Jesus disse que é esta separação espiritual, e não a morte física, que precisa ser evitada (Mateus 10:28).

Com base nesses fatos, as palavras de Jesus se tornam especialmente ricas. Jesus tomou sobre si os nossos pecados (1 Pedro 2:23-24). A penalidade dos pecados não foi a mera morte física. Jesus voluntariamente se submeteu a uma separação do Pai para carregar os nossos pecados e pagar a justa penalidade pelas nossas iniquidades. Sem dúvida, essa separação foi o aspecto mais agonizante do sacrifício de Jesus. Ele, sozinho, carregou sobre si os nossos pecados!

Especulações sobre o tempo desta separação ou onde Jesus ficou durante a separação não são edificantes, uma vez que Deus não nos revelou tais detalhes (veja o aviso de Deuteronômio 29:29). O que deve permanecer em nossos corações é a profunda gratidão pelo sacrifício de Jesus. Ele nunca pecou, mas assumiu os meus pecados e se sacrificou para me livrar da justa consequência da minha rebeldia contra o Criador. Em Jesus “temos a redenção, pelo seu sangue, a remissão dos pecados, segundo a riqueza da sua graça” (Efésios 1:7).

–por Dennis Allan

Leia mais sobre este assunto: Jesus foi desamparado pelo Pai?


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2016 Karl Hennecke, USA