Share Button

Amós: O Prumo de Deus

Amós profetizou no 8º século a.C., poucas décadas antes da queda de Samaria, capital de Israel. Ele recebeu de Deus a tarefa difícil de explicar para um povo próspero e aparentemente seguro que sua destruição violenta seria iminente. Seu trabalho foi feito durante o reinado de Jeroboão II, o período mais próspero desde o reinado de Salomão, o riquíssimo filho de Davi.

O principal obstáculo para este pregador da verdade foi o mesmo que impede a pregação do evangelho puro nos dias de hoje. Os israelitas interpretavam sua prosperidade material como prova da aprovação divina, exatamente como o fazem os adeptos da teologia da prosperidade na nossa época. Mesmo quando este servo de Deus mostrou as graves falhas morais, éticas e espirituais do povo, não deram ouvidos. Como poderiam acreditar na iminência do castigo divino quando Deus “obviamente” abençoava a nação?

Amós combateu esta complacência dos israelitas com mensagens fortes. Começou com avisos que os israelitas facilmente apoiariam, mostrando as consequências dos pecados dos povos ao redor de Israel. Ele repete a mesma fórmula na reprovação de cada nação: “Por três transgressões . . . e por quatro” para condenar a Síria (Amós 1:3-5), a Filístia (1:6-8), a Fenícia (1:9-10), Edom (1:11-12), Amom (1:13-15), Moabe (2:1-3) e até de Judá (2:4-5). Dá para imaginar os israelitas aplaudindo a condenação dos outros. Mas como imaginariam que a lista de nações condenadas terminaria com mais uma mensagem: “Por três transgressões de Israel e por quatro, não sustarei o castigo” (Amós 2:6)? E se Israel não esperava entrar na lista, que surpresa descobrir que esta nação seria o principal alvo da ira divina! O resto do livro focaliza os pecados de Israel e suas consequências.

Na leitura de Amós, observa-se o conteúdo dos capítulos:

Capítulos 1 e 2 falam dos motivos do castigo que Deus traria sobre as nações ao redor de Israel e, afinal sobre o próprio povo israelita.

Capítulos 3 e 4 descrevem os erros da nação de Israel em confiar na sua prosperidade e ignorar os princípios da vontade de Deus.

Capítulo 5 chama o povo a buscar o Senhor, o criador do universo, e viver.

Capítulo 6 enfatiza os abusos do povo que vivia sossegado no luxo e corrupção, insensível à vontade do Senhor.

Capítulos 7 e 8 relatam uma série de visões que mostram que Deus havia agido com longanimidade, mas que realmente castigaria o povo rebelde.

Capítulo 9 continua com o tema do castigo e, depois, encerra o livro com uma mensagem de esperança, promessas da restauração do povo purificado depois do seu cativeiro.

A visão do prumo de Deus está entre os textos mais memoráveis de Amós. Logo depois de duas visões nas quais Deus reteve a sua ira, a visão do prumo apresenta Deus com prumo na mão fiscalizando o muro torto que representa Israel (Amós 7:6-9). A nação que o próprio Senhor construiu como muro reto havia se inclinado tanto no seu afastamento de Deus que não restava opção. Deus prometeu passar pelo meio do povo para castigá-lo. Esta mensagem e o profeta que a entregou enfrentaram a forte oposição da liderança religiosa de Israel, mas Amós não voltou atrás. Apesar das ameaças de Amazias, o sacerdote que guiava o povo na sua idolatria, Amós ficou firme em pronunciar a palavra de Deus (Amós 7:10-17).

Hoje em dia, precisamos da mesma coragem que Amós demonstrou para falar a verdade da palavra de Deus, independente do clima religioso e político.

–por Dennis Allan/


ESTUDOS BÍBLICOS     PESQUISAR NO SITE     MENSAGENS EM ÁUDIO    
MENSAGENS EM VÍDEO   
ESTUDOS TEXTUAIS    ANDANDO NA VERDADE  
O QUE ESTÁ ESCRITO?
  
O QUE A BIBLIA DIZ?

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©2014 Karl Hennecke, USA