"Vão e Façam Discípulos de Todas as Nações"

O Rei estava subindo ao seu trono. Seu plano de governo foi bem definido. Seu direito a reinar foi inegavelmente estabelecido. Seus embaixadores já foram escolhidos. Agora, a hora de governar chegou. Mateus 28:18-20 apresenta claramente a mensagem fundamental do reino messiânico, dada quando o Soberano Salvador enviou representantes ao mundo. Vamos examinar este texto e suas implicações para os discípulos de Cristo nos dias de hoje.

O Fundamento Montanhoso: Toda a Autoridade (18)

A afirmação feita por Jesus aos apóstolos é absoluta. Toda a autoridade que seria dada ao descendente de Davi, o mesmo que estabeleceria seu reino eterno, está agora nas mãos de Jesus. Ele venceu o pecado e o diabo na cruz, e agora assume seu papel como Rei dos reis. A coroação deste Rei foi pre-ordenada por Deus e comunicada pelo salmista 1.000 anos antes da vinda de Jesus: "Eu, porém, constituí o meu Rei sobre o meu santo monte Sião" (Salmo 2:6). A afirmação do Cristo de ter recebido autoridade absoluta se encaixa perfeitamente na imagem de Daniel de uma pedra, cortada sem auxílio de mãos, que esmaga as autoridades menores e se transforma numa montanha que enche a terra (Daniel 2:35,44-45). Agora, afirma Jesus, "o monte da casa do Senhor" está sendo estabelecido acima dos montes e colinas de autoridade humana. Agora, a palavra do Senhor sairá de Jerusalém espiritual para todas as nações (Isaías 2:2-4; Gálatas 4:26; Hebreus 12:22-23).

Ninguém jamais pode realmente chegar a Jesus sem reconhecer a autoridade absoluta que pertence exclusivamente a ele. Ele é o Salvador, mas ele também é o Senhor. Ele manda embora os nossos pecados, mas ele também manda que nós o obedeçamos. Entramos numa relação especial e pessoal com aquele que nos chama de irmãos; mas entramos também numa relação de submissão àquele que nos governa como seus sujeitos e servos. O reino dele não é uma democracia que faz leis sujeitas a aprovação popular; é uma monarquia com um Rei benevolente que exerce autoridade absoluta.

No mundo atual, com sua ênfase em liberdade, independência e satisfação egoísta, a mensagem da autoridade absoluta do Rei espiritual não agrada a muitos. Homens e mulheres gostariam de moldar uma nova imagem de Jesus, destacando as características que acham mais agradáveis. Falam sobre amor, bondade, generosidade, bênçãos e amizade do Salvador, mas negligenciam questões de autoridade, regras e obediência ao Senhor.

Ide, Portanto...(19)

O fato da autoridade de Cristo exige ação. Jesus não é apenas uma figura histórica interessante. Não aprendemos dele de uma maneira puramente acadêmica. Quando encontrarmos o Cristo, nossas vidas mudarão. Ou nós o rejeitaremos ou seremos impelidos a agir pelos mandamentos dele. A conjunção conclusiva "portanto" sugere tal motivação. Quando ele olhou para os onze galileus ao seu redor, Jesus lhes disse como este "portanto" determinaria o curso de suas vidas: "Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações". Esta incumbência apostólica, cumprida por um punhado de homens convictos de que o Messias estivesse com eles, mudaria o mundo. Jesus mandou que levassem a mensagem ao mundo inteiro, e pretendia que a sua ordem fosse plenamente obedecida. Ele não perdeu tempo ouvindo desculpas, e nada no texto sugere que eles oferecessem argumento algum. O Rei enviou os seus embaixadores, e já tinha dito que o evangelho seria pregado ao mundo inteiro naquela geração (Mateus 24:14.34). Uns 30 anos depois, o apóstolo Paulo disse que esta missão fora cumprida quando falou "do evangelho que ouvistes e que foi pregado a toda criatura debaixo do céu" (Colossenses 1:23).

Fazei Discípulos (19-20)

A ordem de fazer discípulos é descrita por dois gerúndios que mostram o que é necessário para fazer discípulos de Cristo: batizando (19) e ensinando (20). Algumas pessoas têm interpretado mal este texto, sugerindo uma lista de três passos sucessivos (Fazer discípulos - batizar - ensinar). Certamente devemos continuar ensinando depois do batismo do novo discípulo, mas não é o ponto fundamental deste texto. Para se tornar discípulo de Cristo, a pessoa precisa ser batizada para remissão dos pecados e precisa ser ensinada "a guardar todas as coisas" que Jesus tem ordenado. Vamos pausar para considerar esses dois requisitos do processo de fazer discípulos.

Batizar em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo. Devemos destacar dois fatos aqui:

Jesus deu importância ao batismo. Muitas doutrinas hoje tratam o batismo como ato de pouca importância, até sugerindo que ele não tem lugar no plano de Deus para a nossa salvação. Tais idéias não vêm de Jesus. Aqui ele apresenta o batismo como necessário para ser discípulo dele, e sabemos que ninguém será salvo sem ser seguidor de Jesus (Atos 4:12). Em Marcos 16:16, Jesus disse que precisamos crer e ser batizados para sermos salvos. Ele mandou que os apóstolos pregassem a mesma mensagem, e eles foram obedientes ao Senhor. Pedro disse em Atos 2:38: "Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para remissão dos vossos pecados, e recebereis o dom do Espírito Santo." Em Atos 10:48, ele "ordenou que fossem batizados em nome de Jesus Cristo". O apóstolo Paulo tratou o batismo com urgência no seu trabalho (veja Atos 16:32-33; 18:8; 19:5). Outros pregadores do Novo Testamento proclamaram a mesma mensagem, afirmando a necessidade do batismo para a salvação do pecador. Filipe ensinou a necessidade da fé e do batismo (Atos 8:12-13; 36-38). Ananias perguntou a Saulo: "E agora, por que te demoras? Levanta-te, recebe o batismo e lava os teus pecados, invocando o nome dele" (Atos 22:16).

Devemos ser batizados em nome do Pai, do Filho, e do Espírito Santo. No batismo, entramos em comunhão com Deus. Aqui, como em várias outras passagens, Deus se apresenta como três pessoas eternas e perfeitamente unidas. Entramos em Cristo no batismo (Gálatas 3:27). Assim obedecendo à palavra dele, somos privilegiados, também, por entrar em comunhão com o Pai (João 14:23) e com o Espírito Santo (1 Coríntios 6:19-20). A linguagem de Jesus descreve a grande bênção de ser primogênitos, membros da família de Deus (Hebreus 12:23). Algumas igrejas têm inventado novas doutrinas sobre o batismo, usando versículos como Mateus 28:19 ou Atos 10:48 para defender algum tipo de fórmula de batismo. Algumas dizem que, no momento do batismo, é necessário falar as palavras exatas de Mateus 28:19: "em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo". Outras insistem que o batismo só tem validade se falar as palavras de Atos 10:48: "em nome de Jesus Cristo". Mas estes trechos não se contradizem. Quando os apóstolos batizaram em nome de Jesus, eles obedeceram à palavra dele e agiram pela autorização que ele deu. O resultado foi exatamente o que ele prometeu: comunhão com o Pai, o Filho e o Espírito Santo. É ridículo sugerir algum tipo de conflito entre Mateus 28 e os batismos realizados pelos apóstolos.

Ensinar a guardar todas as coisas que Jesus ordenou. Depois de ser convertido, o servo de Cristo continuará a vida toda crescendo na compreensão da vontade de Cristo, mas o ponto que Jesus frisa em Mateus 28:20 é um de compromisso. No momento de sua conversão, ninguém entende tudo. De fato, cada cristão deve se esforçar para crescer no conhecimento da palavra durante toda a sua vida (2 Pedro 3:18). Algumas igrejas até exigem cursos de meses ou anos de duração antes de uma pessoa se batizar, certamente tentando diminuir a possibilidade dela desistir depois. Qualquer pessoa deve estudar o bastante para entender quem é Jesus e como obedecer a vontade dele. Mas encontramos casos nas Escrituras nos quais as pessoas ouviram o evangelho e tomaram suas decisões até no mesmo dia (Atos 2:37-41; 8:35-38; 16:32-33). Devemos ter cuidado para ensinar tudo que é necessário, mas nossa cautela não deve chegar ao extremo de dificultar ou impedir a salvação de ninguém.

O ponto de ensinar as pessoas "a guardar todas as coisas" que Jesus ordena é mostrar-lhes como se deve assumir um compromisso solene com o Senhor. Uma ilustração ajuda. Quando a minha mulher se casou comigo, ela prometeu me "amar, honrar e obedecer". Será que ela, naquele dia, já sabia tudo que eu pediria durante toda a nossa vida juntos? Claro que não! Ela não sabia o conteúdo de todos os pedidos do marido, mas assumiu um compromisso de submissão à pessoa. Quando olhamos para Cristo, o cabeça da igreja, devemos prontamente assumir um compromisso de obediência absoluta a ele. A pessoa que recusa fazer isso não está pronta para seguir a Jesus.

O Processo Continua

As palavras de Jesus em Mateus 28:18-20 foram dirigidas aos apóstolos, e não diretamente a nós. Mas o mesmo fato que exigia ação deles exige a mesma de nós. Em primeiro lugar, temos que nos tornar discípulos, voltando para Cristo, aceitando o perdão que ele oferece por meio do batismo e prometendo nossa plena obediência a ele. Então, devemos comunicar as boas novas de Jesus aos outros. Nossa incumbência de evangelizar vem de passagens como 2 Timóteo 2:2, onde o evangelho é transmitido de uma geração para outra, e de Hebreus 5:12, onde o autor introduz um sentido de "dever" na vida de cada discípulo. Da mesma maneira que o trabalho de Paulo preenchia o que resta das aflições de Cristo (Colossenses 1:24), temos um papel essencial na evangelização de almas carentes da nossa geração. Como os cristãos de hoje, somos a Jerusalém donde a palavra precisa sair.

Como ou Por Quê?

É fácil se preocupar com questões de como evangelizar, mas isso não é o ponto que Jesus enfatizou. Ele começou com o porquê, e nós devemos começar no mesmo lugar. Se verdadeiramente compreendermos e apreciarmos o porquê do nosso trabalho, teremos a motivação necessária para ensinar bem aos outros. Tudo começa com a pessoa e a posição do Cristo.

-por Dennis Allan
D107

Leia mais sobre este assunto:
Estudo do Livro de Mateus

Autoridade

Qual Lei Deveríamos Submeter-nos Hoje em Dia?

O Batismo e a Salvação

Batismo em nome de quem?

Como Explicar a Trindade?

Os objetivos da evangelização

O Reino dos Céus na Terra

Em Cristo, Toda a Plenitude



 

ESTUDOS BÍBLICOS     PESQUISAR NO SITE     MENSAGENS EM ÁUDIO    
MENSAGENS EM VÍDEO   
ESTUDOS TEXTUAIS    ANDANDO NA VERDADE  
O QUE ESTÁ ESCRITO?
  
O QUE A BIBLIA DIZ?

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©2014 Karl Hennecke, USA