Share Button

Como Tratar os Irmãos que Pecam?

A Bíblia muitas vezes ressalta o interesse que os cristãos devem ter pelo bem-estar espiritual dos irmãos. "Meus irmãos se algum entre vós se desviar da verdade e alguém o converter, sabei que aquele que converte o pecador do seu caminho errado salvará da morte a alma dele e cobrirá multidão de pecados" (Tiago 5:19-20).  Talvez a reação mais natural diante de um irmão que peca seja abandoná-lo, achando que cada pessoa deve tomar conta de si mesma.  Mas as Escrituras ensinam que os cristãos são uma família, um corpo, e cada membro deve preocupar-se intensamente com o crescimento espiritual dos outros membros.

A Palavra ensina que deve haver distinção entre os irmãos que pecam.  Nem todos os pecados refletem o mesmo tipo de coração e, portanto, assim como cada doença física requer um tratamento diferente, o mesmo acontece com as enfermidades espirituais. "E compadecei-vos alguns que estão na dúvida; salvai-os, arrebatando-os do fogo; quanto a outros, sede também compassivos em temor, detestando até a roupa contaminada pela carne" (Judas 22-23).  "Exortamo-vos, também, irmãos, a que admoesteis os insubmissos, consoleis os desanimados, ampareis os fracos e sejais longânimos para com todos" (1 Tessalonicenses 5:14).  Esses textos agrupam em várias categorias os que estão em pecado, mostrando o tipo de ajuda necessária para cada caso.

Os que Tropeçam

"Irmãos, se alguém for supreendido nalguma falta, vós, que sois espirituais, corrigi-o com espírito de brandura; e guarda-te para que não sejas também tentado" (Gálatas 6:1). Em alguns casos, o pecado pega o homem num momento de fraqueza e o enlaça. Nessa situação, outros irmãos devem conversar com aquele que tropeçou e ajudá-lo a se erguer novamente.  Isso deve ser feito com um espírito de mansidão e delicadeza.  Não ajuda muito repreender com severidade.  É preciso que pensemos como gostaríamos de ser tratados numa situação dessa, porque todos tropeçamos e caímos no pecado uma vez ou outra, e necessitaremos que os nossos irmãos com mansidão nos façam voltar à fidelidade no serviço do Senhor.  Paulo incentivou Timóteo a fazer apelos as pessoas e não repreendê-las de uma maneira áspera (1 Timóteo 5:1-2).  Áqüila e Priscila mostraram sabedoria ao conversarem com Apolo em particular para ajudá-lo a aprender o caminho de Deus com mais precisão (Atos 18:24-26).  O objetivo é recuperar o pecador e não apenas "cumprir o nosso dever" de admoestá-lo.

Os que Pecam

"Acautelai-vos.  Se teu irmão pecar contra ti, repreende-o; se ele se arrepender, perdoa-lhe; se, por sete vezes no dia, pecar contra ti e, sete vezes, vier ter contigo dizendo:  Estou arrependido, perdoa-lhe" (Lucas 17:3-4).  Há vezes que o pecado é flagrante o suficiente que tem que ser enfrentado diretamente.  Nesses casos, naturalmente, devemos estar preparados e ávidos para aceitar o arrependimento do pecador e perdoar-lhe.  Antes, porém, será necessário admoestar "os insubmissos", advertindo-os sem rodeios e estimulando-os a mudar (1 Tessalonicenses 5:14).  Quando o pecado visível de Pedro feriu os irmãos gentios e levou muitos dos cristãos judeus ao mesmo erro, Paulo o repreendeu face a face em público (Gálatas 2:11-14).  Não se tratava de um irmão fraco em tropeço, mas um pecado de conseqüências públicas, por parte de Pedro, que precisava ser tratado.  Qualquer um de nós pode precisar de uma repreensão direta às vezes.  O livro de Provérbios nos incentiva a aceitar as admoestações e usá-las como uma oportunidade para fazer as devidas correções, apesar da repreensão ser dolorosa.  No caso de Pedro, ele falou mais tarde a respeito do nosso "amado irmão Paulo" (2 Pedro 3:15), mostrando que ele não tinha nenhum rancor pelo fato de Paulo o haver repreendido abertamente.

Os que se Recusam a se Arrepender


"Nós vos ordenamos, irmãos, em nome do Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo irmão que ande desordenadamente e não segundo a tradição que de nós recebestes . . . Caso alguém não preste obediência à nossa palavra dada por esta epístola, notai-o; nem vos associeis com ele, para que fique envergonhado.  Todavia, não o considereis por inimigo, mas adverti-o como irmão" (2 Tessalonicenses 3:6,14-15).  Às vezes, um irmão que está em pecado não presta atenção ao estímulo e à admoestação de outros cristãos.  Tanto pessoalmente quanto por carta, Paulo havia ensinado e admoestado aos tessalonicenses acerca da necessidade de trabalhar.  Em 1 Tessalonicenses 5:14 ele tinha pedido que outros irmãos admoestassem os indisciplinados.  Em 2 Tessalonicenses 3, mais uma vez ele adverte severamente os que se recusavam a trabalhar.  Depois ele afirma claramente que, quando alguém se recusa a obedecer à Palavra de Deus após reiteradas admoestações, essa pessoa deve ser publicamente notada como infiel e os irmãos devem se afastar do contato social com ela.  1 Coríntios 5 trata de um caso semelhante.  O pecado era diferente (um caso grave de imoralidade sexual), mas Paulo ordenou aqui também que o irmão que se achava no erro fosse publicamente reconhecido como infiel e que os outros não se associassem com ele, nem mesmo para comer com ele. Em Mateus 18:15-17, quem se recusa a corrigir um pecdo contra outra pessoa deve ser tratado da mesma forma.

Ao pormos em prática essa diretriz precisamos tomar certos cuidados.  Em primeiro lugar, não se deve tomar essa atitude a primeira vez que alguém peca.  Os casos descritos nos textos acima estavam em estágio avançado; já se haviam dado exortações.  Em segundo lugar, a igreja deve estar ansiosa por receber o irmão que errou quando ele se arrepende.  Ele não deve ser considerado um inimigo, mesmo após ser disciplinado pela congregação (2 Tessalonicenses 3:15).  E, se ele retornar à fidelidade ao Senhor, deve ser recebido com muito amor e ternura (2 Coríntios 2:5-11).

Há três razões para essa atitude.  Primeira:  o amor pelo irmão que pecou.  A esperança é que a pessoa, percebendo a gravidade de seu pecado, retorne ao Senhor e seja salva (1 Coríntios 5:5; 2 Tessalonicenses 3:14-15).  Assim como o homem imoral de 1 Coríntios 5, muitos se arrependem hoje após que a igreja a que pertencem os nota publicamente como infiéis (2 Coríntios 2:5-11).  Segunda:  o amor pela igreja.  Paulo falou da influência contagiosa do pecado que é tolerada na igreja (1 Coríntios 5:6-8).  Se as pessoas que não estão servindo ao Senhor fielmente permanecem na comunhão da igreja, sua infidelidade será contagiosa e se espalhará aos outros membros da congregação.  Por fim, o amor pelo Senhor.  Essa ação deve ser tomada "em nome do Senhor Jesus Cristo" (2 Tessalonicenses 3:6; 1 Coríntios 5:4).  Paulo disse que essa ordem põe a igreja à prova para descobrir se ela é fiel ao Senhor em todas as coisas (2 Coríntios 2:9).  Muitas igrejas são reprovadas nesse teste.  Talvez por causa de um desejo de não se tornarem impopulares ou por uma falta de coragem de enfrentar os membros que vivem persistentemente no pecado, muitas igrejas toleram os membros infiéis e não obedecem a esses princípios bíblicos.  O nosso amor por Deus deve ser maior que o nosso desejo de recebermos a aprovação do homem.

Os que Ensinam Falsas Doutrinas

"Rogo-vos, irmãos, que noteis bem aqueles que provocam divisões e escândalos, em desacordo com a doutrina que aprendestes; afastai-vos deles, porque esses tais não servem a Cristo, nosso Senhor, e sim o seu próprio ventre; e, com suaves palavras e lisonjas, enganam o coração dos incautos" (Romanos 16:17-18).  Os falsos mestres são perigosos e subversivos.  Por essa razão, devem ser tratados com muito mais firmeza e urgência do que os irmãos que são infiéis ao Senhor de outras formas.  Tito foi informado de que os falsos mestres precisam ser silenciados e reprovados severamente (Tito 1:10-16).  Ele foi incentivado a rejeitá-los após somente duas advertências, por causa do perigo que eles representam para os outros cristãos (Tito 3:9-11).  Essas talvez sejam declarações fortes nesta época de tolerância.  Muitos passaram a crer que não há verdade absoluta e que todos devem crer no que quer que lhes faça sentir bem.  A Bíblia ensina que há somente uma verdade, e que devemos encontrá-la, crer nela e segui-la para sermos salvos.  Quem ensina doutrinas diferentes do que se acha nas Escrituras põe em risco a alma preciosíssima do seu semelhante.


Conclusão

É errado não fazer caso dos pecados cometidos por outros irmãos ou mesmo aceitá-los.  Embora devamos ser humildes e agir em amor, devemos ajudar a recuperar aquele que tropeça, repreender o que peca abertamente, após reiteradas admoestações, afastarmo-nos daquele que se recusa a se arrepender e, após apenas uma ou duas admoestações, rejeitar os que ensinam doutrinas falsas. Devemos ter coragem e fé no Senhor para confiarmos em suas instruções.

­por Gary Fisher


 

ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA