Share Button

Condenar “muito” autoriza “pouco”?

O argumento é simples e, para muitas pessoas, convincente. Se diáconos não podem ser “inclinados a muito vinho” (1 Timóteo 3:8), obviamente podem tomar um pouco. Às vezes, acrescenta mais um argumento do mesmo capítulo, fazendo um contraste entre diáconos e presbíteros. Um presbítero, por ter uma responsabilidade maior na igreja, não pode ser “dado ao vinho” (versículo 3). Mas o diácono tem mais liberdade e, por extensão, outros cristãos podem beber. São somente os presbíteros, vistos como super-cristãos, que não podem beber.

Uma outra passagem citada, freqüentemente, no estudo deste assunto é Tito 2:3, que diz que as mulheres idosas não devem ser “escravizadas a muito vinho”. E assim chegamos à conclusão de muitos quando se trata da questão de bebida alcoólica: Deus condena muito e autoriza pouco.

Mas antes de abrir as latas e começar a festa, não seria sensato examinar melhor estes argumentos? Será que condenar muito autoriza pouco?

O primeiro problema com este argumento, e um que deve chamar a nossa atenção, é que ele chega a uma conclusão que contradiz outras instruções dadas pelo Senhor. O mesmo Deus que disse que não devemos olhar para o vinho no copo (Provérbios 23:31), diria que diáconos e idosas podem tomar um pouco?

O segundo problema vem de um estudo das outras palavras nestas frases, especialmente os termos “inclinados” e “escravizadas”. Para provar que “não muito” permite “pouco”, teríamos que completar a frase. Se “não muito” auto-riza “pouco”, seria lícito ser escravizado a pouco vinho! Mas Deus não disse isso. Devemos praticar domínio próprio (Gálatas 5:23; 2 Pedro 1:6) e devemos ser temperantes, sensatos e criteriosos em tudo (Tito 2:1-6). Não precisamos de uma proibição específica para saber que o servo do Senhor não deve ser escravi-zado a substâncias – seja cocaína, maco-nha, álcool ou qualquer outra droga. Considere, também, 2 Pedro 2:19; Tito 3:3; Romanos 6:17-20.

O terceiro e maior problema com estes argumentos para justificar a bebida é a própria expressão. O fato de condenar “muito” de uma coisa pode dar ênfase, mas não necessariamente justifica “pouco”. Pedro condena o “excesso de devassidão” (1 Pedro 4:4), sem justificar um pouco de devassidão (libertinagem). A advertência contra “muitas concupis-cências insensatas” (1 Timóteo 6:9) não quer dizer que poucas seriam inofen-sivas. Da mesma maneira, instruções contra muito vinho não justificam pouco.

Paulo disse: “Assim, pois, não durmamos como os demais; pelo contrário, vigiemos e sejamos sóbrios” (1 Tessalonicenses 5:6).

–por Dennis Allan

Leia mais sobre este assunto:
O que quer dizer "vinho" na Bíblia?

A Bíblia e a Bebida Alcoólica

Quais são as qualificações bíblicas de um pastor?

"Como Proceder na Casa de Deus"

O que é um "diácono"?

Nem Pensar!

Como se Encher do Espírito


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA