Share Button

Comemorações

A décima e última praga finalmente pôs o Faraó do Egito de joelhos. Que terrível foi esse castigo! Que noite inesquecível! No meio das trevas noturnas Jeová desceu sobre o Egito e matou o primogênito de cada família egípcia e também os primogênitos do gado, levantando "grande clamor em toda a terra do Egito", como nunca houve e nunca mais haverá (Êxodo 11:6).

Mas, enquanto este terrível castigo feria o Egito, Deus passava por cima de Israel. De acordo com as instruções de Deus, cada uma das famílias israelitas matou um cordeiro e pôs um pouco do sangue dele nos batentes e nas vergas das portas de suas casas. Deus havia prometido: "quando eu vir o sangue, passarei por vós, e não haverá entre vós praga destruidora, quando eu ferir a terra do Egito" (Êxodo 12:13). O cordeiro deveria ser comido naquela noite, a assim foi instituída a festa que deveria ser mantida todos os anos, daí por diante: "Este dia vos será por memorial, e o celebrareis como solenidade ao SENHOR: nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo" (v. 14).

Foi dito aos israelitas que nos tempos futuros os seus filhos haveriam de perguntar o significado deste serviço e eles deveriam explicar: "É o sacrifício da Páscoa ao Senhor, que passou por cima das casas dos filhos de Israel no Egito, quando feriu os egípcios e livrou as nossas casas" (vs. 26-27).

Este foi um tempo que Israel precisava recordar. Foi um grande castigo. Foi uma maravilhosa libertação. Israel precisava manter sempre vivo na memória o que Deus havia feito. Para esta finalidade Deus instituiu a festa da páscoa. Ela seria uma comemoração que deveria relembrar Israel todos os anos da grande coisa que Deus havia feito.

Israel não foi fiel em manter esta festa comemorativa (veja 2 Reis 23:21-23). Sua negligência neste e em outros assuntos levou ao seu afastamento de Jeová e à sua final destruição. Se ele tivesse sido fiel em manter a Páscoa, ela teria sido um meio de conservar a memória do que Deus havia feito para unir o povo a Deus de modo que nunca mais se desgarrasse dele.

Houve outras comemorações. Quando as águas do Jordão se dividiram e Israel atravessou o rio a pé enxuto, Deus instruiu a nação para assentar doze pedras em Gilgal, em comemoração desse acontecimento.

"E [Josué] disse aos filhos de Israel: Quando, no futuro, vossos filhos perguntarem a seus pais, dizendo: Que significam estas pedras? fareis saber a vossos filhos, dizendo: Israel passou em seco este Jordão. Porque o SENHOR, vosso Deus, fez secar as águas do Jordão diante de vós, até que passásseis: como o SENHOR vosso Deus, fez ao mar Vermelho, ao qual secou perante nós, até que passamos. Para que todos os povos da terra conheçam que a mão do SENHOR é forte; a fim de que temais ao SENHOR, vosso Deus, todos os dias" (Josué 4:21-24).

Deus queria que seu povo se lembrasse dele. Ele não queria que eles se destruíssem pela apostasia. Então ele tomou todas as providências necessárias para fortalecer os laços entre ele e o povo. As comemorações foram uma destas providências destinadas a ligar o povo a Deus e a mantê-los fiéis.

Mas temos que nos voltar para considerar a palavra de Deus "no fim destes dias", com estas instituições do Velho Testamento em apoio de nossas mentes para preparar-nos para o entendimento do que Deus tem feito por nós. 

Deus ama seu povo hoje como amou Israel nos tempos antigos. Ele entende bem as fraquezas dos homens e a tendência para a apostasia. Mas ele não quer que seus filhos se afastem dele. Pela sua grande misericórdia, ele previu nossas necessidades e atendeu-as pelo fortalecimento dos laços entre nós e ele.

Deus ainda tem suas comemorações. O primeiro dia da semana parece ter em si algo deste caráter, relembrando-nos, como acontece todas as semanas, da ressurreição de nosso Senhor. Mas a grande comemoração de Deus nos dias de hoje é a ceia do Senhor. Em uma festa de comemoração, Jesus instituiu uma nova, a ceia do Senhor.

Uma passagem de Paulo não deixa dúvida quanto à intenção do Senhor, quando ele instituiu esta ceia:

"Porque eu recebi do Senhor o que também vos entreguei: que o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão; e, tendo dado graças, o partiu e disse: Isto é o meu corpo, que é dado por vós; fazei isto em memória de mim. Por semelhante modo, depois de haver ceado, tomou também o cálice, dizendo: Este cálice é a nova aliança no meu sangue; fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim. Porque, todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor, até que ele venha" (1 Coríntios 11:23-26).

"Fazei isto em memória de mim. . . . fazei isto, todas as vezes que o beberdes, em memória de mim". Foram estas as palavras que haveriam de esclarecer os discípulos do Senhor que esta ceia era algo para ser repetido em outras ocasiões, não para ser observado uma noite e nunca mais. A ceia é claramente destinada a manter viva a memória do que Jesus fez por nós. Aqueles que mantém esta ceia no domingo, como o fizeram os discípulos em Trôade (Atos 20:7), têm uma recordação semanal da grande coisa que Jesus fez por nós. O pão nos recorda de seu corpo, dado por nós; a taça, de seu sangue que ele derramou para a remissão de nossos pecados. Assim, a lembrança do que Jesus fez é fixada nas nossas mentes, um pouco mais firmemente, cada semana que passa. E desde que esta comemoração toma a forma de algo que comemos e bebemos, uma vez por semana somos relembrados de nossa participação na dádiva de Cristo, devemos deixar a mesa cada semana ligados ao Senhor mais fortemente pela gratidão pelo que ele fez por nós.

Naturalmente esta comemoração não reforçará os laços entre nós e o Senhor se for negligenciada, como Israel ignorou suas comemorações. Nem ela reforçará a lembrança da dádiva de Cristo se ela for tomada descuidadamente ou se ela se tornar apenas uma formalidade a ser cumprida. Não há nenhuma mágica nos elementos por si sós, que imponham sua ajuda sobre nós sem relação com nossa atitude mental. Mas quando vemos no pão e na taça o corpo e o sangue de nosso Senhor, e relembramos a dádiva de Cristo com pensamentos apropriados, então a intenção do Senhor é satisfeita e esta comemoração se torna um meio de reforçar nossos laços com ele, defendendo-nos contra o perigo da apostasia. 

Vista sob esta luz, a ceia do Senhor se torna uma dádiva de Deus para nos manter salvos. Deveríamos nos queixar de ter que receber esta dádiva?


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA