Share Button

Algumas Reflexões Finais sobre o Reino dos Céus

por Sewell Hall

Pensamentos sobre o Prémilenarismo

Nos tratos de Deus para com o homem, ele tem sempre movido das coisas terrestres, materiais e temporais para aquelas que são espirituais, celestiais e eternais.

Desde o sangue de animal oferecido por Abel, Deus trouxe a humanidade ao sangue de Cristo oferecido diante de Deus como eterna expiação pelo pecado. Desde a circuncisão de Abraão fomos levados a uma circuncisão “não por intermédio de mãos” (Colossenses 2:11). De um tabernáculo material avançamos para o “verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, não o homem” (Hebreus 8:1-2).

No Velho Testamento Deus possuía um reino terrestre que atingiu o pico de sua glória militar nos dias do Rei Davi. Esse reino ficou inerte, mas Deus prometeu um novo reino que seria eterno (Daniel 2:44-45). Os judeus cometeram o sério engano de esperar que tal fosse simplesmente um reino maior e do mesmo tipo. Jesus passou muito tempo de seu ministério pessoal procurando afastar a atenção deles do que era físico e terreno para o que era espiritual e celeste. Ele explicou a Pilatos: “O meu reino não é deste mundo. Se o meu reino fosse deste mundo, os meus ministros se empenhariam por mim, para que não fosse eu entregue aos judeus; mas agora o meu reino não é daqui” (João 18:36).

Apesar de tudo isso, há muitos hoje, conhecidos como premilenaristas, que crêem que Jesus veio para estabelecer um reino físico, terrestre e militar, como o de Davi, mas que ele foi impedido de fazer isso pela descrença de Israel. Eles esperam plenamente que Cristo volte à terra e se empenhe em guerra carnal para estabelecer seu trono em Jerusalém, de onde ele reinará na terra durante mil anos. Certamente, aqueles que têm compreendido o que o Novo Testamento ensina a respeito do reino podem ver que isso seria uma inversão da direção de todos os tratos anteriores de Deus para com o homem. “Sois assim insensatos que, tendo começado no Espírito, estejais, agora, vos aperfeiçoando na carne?” (Gálatas 3:3). Deus “nos libertou do império das trevas e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Colossenses 1:13).

Qualquer interpretação das profecias, seja do Velho Testamento como do Novo, que contradiz esse quadro claramente desenvolvido do reino do Messias como um reino pacífico, espiritual, celeste e eterno, é uma interpretação errada de tais profecias.

Pensamentos sobre Autoridade

Um reino verdadeiro é o oposto exato de uma democracia. Uma democracia é o “governo do povo”. Uma monarquia é o governo de uma única pessoa. Ela tem todo o poder e estabelece ou elimina todos os cargos quando quer, e admite ou demite cada ministro conforme escolhe. Qualquer pessoa reivindicando autoridade precisa ter credenciais do rei, e qualquer ato para ser legal precisa ser aprovado pelo rei ou por alguém a quem ele concedeu autoridade.

Nosso rei autorizou seus apóstolos a falarem por ele. Eles eram seus embaixadores, falavam e escreviam por ele. Nenhum outro ser humano pode reivindicar tal autoridade. Isso significa, simplesmente, que como cidadãos do reino dos céus, precisamos ter autorização do Rei para tudo o que fazemos, e essa autorização só pode ser encontrada nas Escrituras.

Pensamentos sobre os Cidadãos do Reino no Mundo

Aqueles dentre nós que têm passado algum tempo em uma nação que não a nossa, percebem como nos sentimos estranhos e diferentes em tal lugar. Somos constantemente lembrados de nossa situação como estrangeiros. Mas não ficamos envergonhados. Temos orgulho de nossa pátria, aceitamos o fato de sermos diferentes, tentamos manter-nos a par dos acontecimentos em nossa terra nativa e esperamos pelo dia quando poderemos ter a alegria e o contentamento de vivermos novamente entre “nosso próprio povo”.

Sendo aqueles cuja “pátria está nos céus” (Filipenses 3:20) somos sempre como Abraão, que “peregrinou...como em terra alheia” (Hebreus 11:9). Estamos no mundo, mas não somos “do mundo”; assim como nosso Rei estava no mundo, e não era do mundo (João 17:16). As pessoas ao nosso redor ficam surpresas porque não nos envolvemos com elas em suas “dissoluções, concupiscências, borracheiras, orgias, bebedices e em detestáveis idolatrias” e nos caluniam (1 Pedro 4:3-4). Mas nos lembramos das palavras de Pedro: “Amados, exorto-vos, como peregrinos e forasteiros que sois, a vos absterdes das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma” (1 Pedro 2:11); e também das palavras de Paulo: “se perseveramos, também com ele reinaremos” (2 Timóteo 2:12).


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA