Share Button

Corrigindo Mal-entendidos Sobre o Reino (2)

por Glenn Jones

Durante o ministério de Jesus, muitos dos seus discípulos imaginaram seus sonhos se realizando. Sua demonstração de poder divino tinha-os convencido de que ele seria um rei capaz de atingir os objetivos políticos e suprir as necessidades físicas deles.

De acordo com João 6, contudo, Jesus viu esses “sonhos” como equívocos pondo em perigo seu ministério e trouxe-os a uma parada súbita, fazendo com que muitos deles encerrassem sua experiência como discípulos. Os mal-entendidos que conduziram a esse triste evento não são estranhos aos nossos dias.

Jesus e a política. Depois dos 5.000 terem ouvido Jesus pregar sobre seu reino o dia todo e terem sido milagrosamente alimentados por ele (Lucas 9:11-17), eles sabiam que Jesus era um profeta especial (João 6:14). Mas Jesus teve que fugir deles, porque estavam usando a força para perverter sua missão espiritual numa missão política (João 6:15). O Senhor nunca concebeu seu reino como mundano, com forças militares, como ele declarou claramente a Pilatos em João 18:36. O sonho que Jesus entraria no campo político como rei, libertando os judeus da ocupação romana e da depressão econômica, ele nunca pretendeu realizar.

Isso não significa que Jesus estivesse esquecido dos governadores e dos assuntos políticos envolvendo a palavra de Deus, pois ele pregou submissão aos governantes civis (Lucas 20:22-26), mas francamente julgava a crueldade e exploração deles (Lucas 13:31-32; 22:25). Ele e seus apóstolos declararam mensagens claras sobre assuntos sócio-políticos para serem pregadas pelos cristãos de hoje, a respeito do aborto, prostituição, homossexualidade, divórcio e novo casamento, álcool e drogas, educação de filhos, crimes e racismo, só para mencionar umas poucas. Entretanto, o domínio de Cristo nunca foi designado a juntar seus seguidores em instituições políticas na terra, quer sejam governos ou partidos políticos. Precisamos cuidar para que a igreja do Senhor não se torne em instituições como essas, justamente como ele recusou tornar-se um rei terreno.

Jesus e o alimento. A multidão que Jesus alimentou milagrosamente veio procurá-lo mais tarde, no outro lado do mar da Galiléia. Eles imaginavam um Rei Messiânico que não somente os guiaria como também proveria cura instantânea e refeições para todos os adeptos. Mas Jesus repreendeu-os pelo motivo deles, “Vós me procurais, não porque vistes sinais, mas porque comestes dos pães e vos fartastes. Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela que subsiste para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará” (João 6:26-27).

Jesus não se opunha à alimentação da multidão em si, porque em duas ocasiões ele alimentou-a depois que o tinham ouvido muito tempo (Marcos 6:34-44; 8:1-9). Jesus opôs-se muito a atrair pessoas para sua missão e mantê-las por meios carnais, e se recusava a prover pão nessa base. Semelhantemente, o Novo Testamento coloca o comer com o propósito de satisfazer a fome pessoal e o confraternizar nas casas particulares (1 Coríntios 11:21-22). A meta do reino é a vida eterna. Hoje em dia, as festas, a recreação e os programas para alimentar os pobres patrocinados pela igreja, contradizem o ensinamento de Jesus em João 6.

Jesus e os sinais. Em João 6:30-32 a multidão exigia um sinal de Jesus “para que o vejamos e creiamos em ti”. Parece que a alimentação milagrosa que eles tinham experimentado já tinha perdido seu impacto, e agora era preciso mais um sinal. O Senhor fazia sinais para ensinar verdades espirituais (Lucas 5:23-25) e identificar-se como o Messias prometido que operava com o poder de Deus (Lucas 7:20-23; Atos 2:22). Note como ele esperava que seus apóstolos compreendessem seu poder total pela alimentação das 5.000 pessoas (Marcos 6:51-52; 8:14-21). Quando havia pouco interesse em entender a mensagem dos sinais, ele executava poucos milagres e apontava para sua ressurreição como o sinal especial que seria dado aos judeus que buscavam sinais (Mateus 12:38-40; 13:58; Marcos 6:4-6). Sempre que a descrença impedia que os sinais de Cristo mostrassem seu poder e princípios, eles não podiam servir para nenhum outro propósito além do sensacionalismo o qual necessitaria de constante repetição para manter o povo estimulado a receber o reino. Mas Cristo nunca quis fervor artificialmente provocado; ele queria produzir convicção que resiste a todas as fases da vida e traz naturalmente amor, zelo, felicidade e emoções que louvam seu nome.

Jesus e as palavras de vida. Jesus disse a essa multidão, “O espírito é o que vivifica; a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos tenho dito são espírito e são vida” (João 6:63). As palavras que Jesus disse são o meio usado pelo Pai para ensinar e levar homens ao seu Filho, Jesus, o qual o Pai enviou como sua testemunha (João 6:44-46). Aqueles que aprendem essas palavras e vivem por elas “comem o pão da vida”, “absorvendo” sua carne e sangue sacrificados pela vida do mundo (João 6:51-58). Jesus, o Filho, nem perderá nem expulsará tais fiéis, mas os ressuscitará no último dia para a vida eterna (João 6:37,39-40). Aqueles de mente carnal, dessa multidão, estavam cegos para a mensagem espiritual de Cristo e se afastaram com desgosto daquilo que eles viam como absurdo, doutrina canibalista, e Cristo nem tentou acomodá-los (João 6:52,60,66-69). Hoje, os homens de mente secular também ridicularizam a mensagem de Cristo como fora de moda, que não consegue atender as necessidades modernas do homem, os quais surgem do meio cristão para secularizar o reino. Como Cristo, não nos acomodemos com eles, mas permaneçamos fiéis à sua mensagem e reino, que conduzem à salvação de nossas almas.


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA