Share Button

A Ressurreição, a Ascensão e a Coroação

Várias coisas passaram pela cabeça das mulheres que foram visitar o sepulcro logo no primeiro dia da semana (Marcos 16:1-2).  Elas estavam levando ungüentos para concluir o que tinham iniciado apressadamente no dia anterior ao sábado (Marcos 16:1; João 19:38-40).  Pesava-lhes na mente a preocupação de como poderiam conseguir acesso ao sepulcro (Marcos 16:3).  Logo, nenhuma destas preocupações importaria mais.

Em vez de um túmulo lacrado, encontraram uma pedra tirada.  Em vez de um lugar vazio, viram um anjo de branco.  Em vez de tristeza, encontraram alegria.  Em vez de uma mensagem de condenação, foram saudadas com uma mensagem de esperança.  Cristo ressuscitou!

A morte não tinha conseguido vencê-lo (Atos 2:30-31).  Ele tinha sacrificado a vida e a recuperou (João 10:17-18).  Em sua ressurreição, a "corrupção" se transformou em "incorrupção"; a "desonra" foi substituída pela "glória"; e a "fraqueza" foi conquistada pelo "poder" (1 Coríntios 15:42-43).  Não surpreende que as mulheres tenham corrido para anunciar aos outros com "medo e grande alegria" (Mateus 28:8).

O próprio Jesus tinha predito esse grande acontecimento.  Ele tinha dito:  "Destruí este santuário, e em três dias o reconstruirei" (João 2:18-22).  Sua promessa de "edificar a sua igreja" abrangia a declaração de que "as portas do inferno não prevalecerão contra ela" (Mateus 16:18).  Em Atos 2:31-32, Pedro mostra como o sepulcro não conseguiu segurar o seu corpo, nem o Hades, o seu espírito.  Sua morte, seu sepultamento e a sua ressurreição precederam à "edificação" de sua "igreja" (Atos 2:47).  Essas são apenas algumas de muitas passagens semelhantes.  Mas, ainda assim, quando aconteceu, foi surpreendente e assustador.

Um rol impressionante de testemunhas e de fatos confirmam a ressurreição de Cristo.  Incluídos nessa lista encontramos os anjos (Mateus 28:5-6), Maria Madalena (Marcos 16:9-11), os homens do caminho de Emaús (Lucas 24:15-24), os discípulos (João 20:24-28), mais de quinhentas testemunhas (1 Coríntios 15), as passagens do Antigo Testamento (Salmo 16:10), a guarda subornada (Mateus 28:11-15), o sepulcro vazio (Lucas 24:1-3), o começo da pregação do evangelho (Atos 2:32-36) e a própria existência da igreja (Mateus 16:18; Atos 2:47).

A ressurreição confirma a identidade de Jesus como Filho de Deus (Romanos 1:4).  Demonstra o seu poder sobre a morte e sobre o pecado (Hebreus 2:14-16).  Abre-nos uma porta de esperança e de promessa (1 Coríntios 15:20; 1 Pedro 1:3).  Mas a ressurreição é apenas o começo de seu retorno para o alto e das boas coisas que se seguiriam (Hebreus 12:2).

Após um período de 40 dias de instruções (Atos 1:3), chega a hora de Cristo "subir" aos céus (João 20:17).  Os discípulos observam-no ser "levado" e uma "nuvem" o recebe levando-o até que não podem mais vê-lo (Atos 1:9).  Não precisa muita imaginação para ligar essa subida com a investida de poder profetizada em Daniel 7:13,14.

Pedro, em sua mensagem, sustenta que o "Espírito Santo derramou isto que vedes e ouvis" era o resultado de Cristo estar à direita de Deus (Atos 2:32-33; João 7:39; 15:26).  Além de servir de explicação do que acontecia naquele dia, isso nos comprova que Cristo estava de fato no lugar do poder e da majestade (o verdadeiro significado da expressão "direita de Deus").

Zacarias profetizou que Cristo seria "sacerdote e rei" no mesmo trono (Zacarias 6:12-13).  Uma vez que Cristo é agora o nosso Sumo Sacerdote (Hebreus 8:1), é agora o nosso Rei.  Como nosso Sumo Sacerdote, ele entrou no próprio céu (Hebreus 9:23) para assegurar-nos a "eterna redenção" por seu sangue (Hebreus 9:11-12).  Tendo "feito a purificação dos pecados", assentou-se à direita de Deus (Hebreus 1:3).

Todos os tipos, sombras e figuras da expiação se concretizaram e se completaram naquele dia em que Cristo entrou na presença de Deus enquanto uma hoste celeste cantava de júbilo (Apocalipse 5:7-14).  Na verdade, "agora, veio a salvação, o poder, o reino do nosso Deus e a autoridade do seu Cristo . . ." (Apocalipse 12:5-11).

Regozijemo-nos pelo fato de que Jesus não está morto num sepulcro, mas bem vivo à direita de seu Pai.  Como nosso Sumo Sacerdote, ele intercede a nosso favor (Hebreus 4:14-16; 7:24-25).  Como nosso Rei, ele governa e reina nos corações dos homens (João 18:36-37).  Por meio de sua ascensão, posso ter certeza de que ele está nas alturas.  Mediante o seu governo como Sumo Sacerdote e Rei, posso ter paz com Deus, e tenho a sua vontade revelada para guiar-me para o meu lar no céu.

- por Brian Sullivan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA