A grande ceia

Ele lhes disse: “Certo homem deu uma grande ceia e convidou a muitos. À hora da ceia, enviou seu servo para avisar aos convidados: ‘Vinde, porque tudo já está preparado.’ Não obstante, todos, à uma, começaram a escusar-se...” (Lucas 14:16-18).

Era no inverno, antes de sua morte, provavelmente na Judéia ou Peréia, e Jesus estava numa grande festa de Sabá, na casa de um chefe fariseu não nomeado. Ele curou um homem que sofria de uma debilitante doença do coração, desafiando qualquer um a objetar, mas os outros hóspedes, pessoas eminentes, fariseus e advogados, observando Jesus com um olhar crítico (Lucas 14:1), estavam evidente, singular e espantosamente desinteressados.

E ele os observava, também, notando quem estava lá (os convidados não foram pobres, nem necessitados) e como eles porfiavam pelos mais proeminentes assentos. Seus valores eram destorcidos por cobiça e egoísmo. Ele os advertiu que este tipo de auto-exaltação conduziria a um fim humilhante, enquanto um espírito humilde traria, no mínimo, honra (Lucas 14:8-11). E instou com eles que se movessem além de sua cultura egoísta de um círculo apertado de parentes e vizinhos ricos e se procurassem distrair aqueles que, em sua necessidade, eram impotentes para retribuir (Lucas 14:12-14).

Foi neste ponto da conversa do jantar que alguma alma, bem intencionada mas desorientada, observou entusiasticamente: Bem aventurado aquele que comer pão no reino de Deus” (Lucas14:15). Não transparece do texto qual tipo de pão, exatamente, o que falou tinha em mente, nem quanto, apesar de tudo o que Jesus falara, esta pessoa ainda demonstrava ambição egoísta. Talvez ela estivesse, muito ineptamente, tentando descarregar a tensão que Jesus, pelos comentários precedentes, tinha deixado na mesa. Qualquer que fosse o caso, é evidente, pela parábola, que o Senhor não estava impressionado.

A festa de Deus

O “certo homem” da parábola que preparou uma grande festa é Deus. E a parábola nos relembra que a festa de amor e alegria que Deus deseja que partilhemos com ele estara em preparação há muito tempo. É o “reino... preparado desde a fundação do mundo” (Mateus 25:34) e agora, “na plenitude do tempo” (Gálatas 4:4), Deus veio viver entre seu povo e nos convida para vir regozijar com ele! É a festa de todas as festas. Se você nunca esteve em outra ceia, esta é aquela que você não pode perder.

Contudo, os que foram convidados primeiro estão indiferentes! A parábola fala como, apesar de suas palavras, os escribas e fariseus valorizavam pouco o reino de Deus. Ela também explica porque Jesus era, muito freqüentemente, encontrado entre pessoas muito diferentes deles: pobres e desesperados necessitados.

O reino de Deus é um reino de graça. Aqueles que sentem suas vidas plenas não terão lugar nem desejo pelo pão de Deus. Em sua afetada auto-satisfação, eles, por outro lado, receberão o convite do céu com a alegria dos desesperados.

Uma resposta incrível

Disse o primeiro: Comprei um campo, e preciso ir vê-lo; rogo-te que me tenhas por escusado. Outro disse: Comprei cinco juntas de bois e vou experimentá-las; rogo-te que me tenhas por escusado. E outro disse: Casei-me, e por isso não posso ir” (Lucas 14:18-20).

A resposta dos vizinhos e amigos deste homem não é nem natural nem provável. As pessoas não rejeitam, no último minuto, um jantar preparado com grande despesa por um homem rico e importante para o prazer de seus amigos. Toda matéria de importância menor seria apagada do calendário e nada, salvo um “ato de Deus”, poderia mantê-los longe. Isto é exatamente como se tinham comportado aqueles convidados para a festa na qual eles e Jesus estavam agora sentados. Os hóspedes apreciavam a honra que lhes estava sendo feita e achavam os principais assentos como uma espécie de distinção especial. Eles não tiveram dúvida em vir a tempo e completamente preparados. É, portanto, inconcebível que quaisquer hóspedes assim convidados se escusassem. Era uma situação absurda e foi para revelá-la como tal que Jesus formulou esta parábola.

A situação na parábola correspondia exatamente à situação da nação de Israel. Os israelitas, como os homens da parábola, tinham sido avisados havia muito tempo, desde os profetas, da vinda do reino de Deus e como aqueles homens estavam sendo avisados de sua imediata aproximação pela pregação de João e de Jesus: “... está próximo o reino dos céus” (Mateus 3:2; 4:17). E, contudo, apesar de todo o seu suposto deleite naquele reino, quando o reino do céu chegou perto, eles estavam totalmente desinteressados em recebê-lo. De fato, como a situação presente demonstrou, eles poderiam sentar-se juntamente com seu próprio Rei e não sabê-lo!

–por Paul Earnhart


ESTUDOS BÍBLICOS     PESQUISAR NO SITE     MENSAGENS EM ÁUDIO    
MENSAGENS EM VÍDEO   
ESTUDOS TEXTUAIS    ANDANDO NA VERDADE  
O QUE ESTÁ ESCRITO?
  
O QUE A BIBLIA DIZ?

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©2014 Karl Hennecke, USA