Share Button

Um tolo e seu dinheiro

“Nesse ponto, um homem que estava no meio da multidão lhe falou: Mestre, ordena a meu irmão que reparta comigo a herança. Mas Jesus lhe respondeu: Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós? Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui” (Lucas 12:13-15).

Em algum lugar, muito provavelmente na Judéia, no outono do ano anterior a sua morte, Jesus estava rodeado por uma agitada multidão de milhares de pessoas que estavam pisoteando umas outras (Lucas 12:1). Com um sentido de urgência, ele buscava preparar seus discípulos para os então inimagináveis dias negros quando a única defesa deles contra uma perseguição brutal seria temer somente a Deus e confiar nele para todas as coisas.

Este momento intenso, cheio de sinceras exortações sobre as coisas celestiais, foi subitamente interrompido por uma solicitação que agitou bastante o ar no qual se introduziu. Algum homem da multidão estava pedindo a Jesus que interviesse numa disputa sobre uma herança. Pode-se imaginar que o silêncio pairou pesadamente no ar durante algum tempo. Quando o Senhor respondeu, foi uma forte repreensão.

O interrogador, evidentemente, não tinha ouvido nada do que o Senhor estava dizendo. Seu coração estava totalmente preocupado com dinheiro para ter qualquer interesse em coisas eternas. O que ele queria eram os serviços deste influente mestre para cumprir sua agenda material. Seu erro não estava em buscar o que não era seu por direito (ele não é acusado de injustiça), nem em querer a ajuda de algum homem sábio e piedoso para julgar uma disputa familiar (1 Coríntios 6:5). Seu problema repousava numa obsessão tão grande por coisas materiais que ele poderia ficar em pé e ouvir as transcendentes palavras do Filho de Deus e não ver nele nada mais do que um instrumento para suas próprias ambições. Ele queria “usar” Jesus, e não segui-lo. Ele o viu, não como o Salvador dos homens, mas como um juiz banal.

O Senhor não o apaziguou, e ele não nos apaziguará. Muitos de nós queremos Jesus para resolver nossos problemas, e não para mudar nossos corações. Ele não estava mais interessado no trabalho mundano que este homem tinha em mente para ele do que estava em ser o rei do pão para alguns galileus carnais (João 6:15). Ele tinha vindo para salvar os homens perdidos da destruição eterna (Lucas 19:10) e não tinha intenção de ajudar este homem a avançar na estrada da ruína abaixo.

O homem que fez este pedido inconveniente devia ser lastimado. Ele pensava que suas dificuldades terminariam se apenas pudesse pegar sua herança. Ele estava convencido de que o problema era a avareza de seu irmão, quando era o seu próprio amor às coisas que o estava matando. Mas Jesus o advertiu, e a multidão ao redor, que ele era uma vítima dessa perversa filosofia (cupidez) que diz que a vida de um homem consiste na “abundância de coisas que ele possui”. Em resumo, o que se tem é o que se é. Esta idéia deles é perniciosa pois quanto mais se busca engrandecimento pela acumulação de bens mais a alma é faminta e mesquinha. Quanto maior a riqueza, maior o vazio espiritual.

A palavra que Jesus usa para “vida” aqui [em grego] é zoe, vida essencial, e não bios, meio de vida (Marcos 12:44). Vivemos num mundo material e temos necessidades materiais, a falta das quais pode ameaçar nossas vidas físicas; elas, porém, não podem negar nem prover a verdadeira vida (Lucas 12:4-5). Jesus nunca condenou a riqueza, nem de sua humilde circunstância jamais a invejou, mas advertiu contra suas tentações sedutoras (Lucas 18:24-25; 16:13). Ele preveniu contra confiar nela como a essência da vida. Isso, ele disse, os matará. Paulo repetiu a advertência do seu Mestre em termos fortes: “Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição. Porque o amor ao dinheiro é raiz de todos os males...” (1 Timóteo 6:9-10). A cobiça é aquela doença espiritual que faz com que um homem seja mais preocupado com o tempo do que com a eternidade, e a ansiedade por esta vida afoga todo o interesse na vida futura.

Conforme George Buttrick observou, este é ensinamento revolucionário, e mesmo quando repetimos fielmente a advertência do Senhor não cremos nele muito profundamente. Ainda encontramos identidade e significado em nossas posses materiais e nos sentimos despidos de importância quando elas são reduzidas. Muitos de nós somos como este triste homem que se encontrou na própria presença de Jesus sem uma indicação sobre o que era a vida. Passamos nossos dias em reuniões de igrejas e aprendemos somente a servir a nós mesmos. O homem de nosso texto necessitava, como freqüentemente precisamos, ver-se como o cego simplório que ele era. Então, o Senhor mostrou-lhe o espelho em sua Parábola do Rico Tolo (Lucas 12:16-21).

–por Paul Earnhart


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA