Share Button

O que o cego viu

Nos últimos meses antes da crucificação de Jesus, os conflitos entre o Filho de Deus e as autoridades religiosas judaicas aumentavam. Os ensinamentos de Jesus cativavam a atenção das multidões, e a presença dele em Jerusalém durante três festas religiosas nos últimos seis meses (veja João 7:2,10; 10:22-23; 12:1,12) deu oportunidades amplas para os conflitos entre o verdadeiro Mestre e os arrogantes líderes do povo. Em um desses conflitos, uma cura impressionante levou à discussão entre os judeus e uma família, culminando na censura dos líderes por Jesus. O relato se encontra no nono capítulo do evangelho segundo João. Observemos a história e, especialmente, os comentários de um cego que viu a Jesus.

O homem nasceu cego. Os discípulos de Jesus imaginavam que o sofrimento dele fosse devido ao pecado de alguém – ou do homem ou dos seus pais. Sofrimento nesta vida pode ser conseqüência de pecado próprio, mas nem sempre vem por este motivo. Homens fiéis como Jó, Daniel, Paulo e o próprio Jesus sofriam. Pessoas fiéis sofrem, até por causa da sua fé (2 Timóteo 3:12; 1 Pedro 2:19-21).

O ponto principal, para Jesus, não foi a causa do sofrimento, e sim o benefício ou propósito dele. Ele viu a oportunidade de demonstrar o poder de Deus e de se mostrar como a luz do mundo (9:3-5). Ele curou o homem (9:6-7). Talvez não teria arrumado confusão com os judeus só pela cura, mas Jesus realizou este milagre no sábado, violando as tradições deles (9:14,16).

Ao longo das discussões relatadas neste capítulo, o homem curado fala dez vezes, respondendo às dúvidas e perguntas do povo, dos líderes religiosos e, por último, respondendo ao próprio Jesus. Nas afirmações deste homem, percebemos uma sinceridade e honestidade que todos nós precisamos, e que os líderes em Jerusalém nem tinham, nem compreendiam. Por suas palavras, podemos entender o que o homem, outrora cego, chegou a ver.

Ele falou com os vizinhos e conhecidos 

Logo após a cura, as pessoas que conheciam o cego ficaram perplexas e discutiram entre si. Será que é o mesmo que era cego? O mendigo conhecido?

1. Sou eu (9:9). Ele sabia a verdade e respondeu à dúvida dos vizinhos. Não tinha motivo para negar a sua identidade nem o seu passado como o mendigo cego. Sua resposta levou a outras perguntas. O que aconteceu? Como foi curado?

2. Jesus fez lodo e mandou-me lavar. Fiz o que mandou, e fui curado (9:11). Jesus o curou. Ele fez apenas o que Jesus mandou. Esta resposta aumentou a curiosidade, e queriam ver Jesus. Onde está?

3. Não sei (9:12). A mesma sinceridade deste homem se transparece nesta resposta. Ele não sabia para onde Jesus fora, e falou a verdade. Recebeu a bênção, mas ainda não sabia como guiar outros a Jesus.

Ele falou com os fariseus

O caso chegou rapidamente ao conhecimento dos líderes judeus, e começaram a interrogar o homem. Queriam saber o que aconteceu.

4. Jesus aplicou lodo aos meus olhos, lavei-me e fui curado (9:15). A mesma pergunta traz a mesma resposta. O homem honesto não oferece versões distintas de sua história para pessoas diferentes. Falando com o povo comum, ou com os líderes religiosos, a resposta é a mesma.

5. Ele é profeta (9:17). Esta afirmação é um dos comentários mais interessantes do homem curado. Ele ainda não sabia tudo sobre Jesus, mas já entendeu o significado dos sinais milagrosos. Moisés realizou milagres para confirmar a sua mensagem profética. Elias e Eliseu fizeram sinais para provar que as suas pregações vinham de Deus. No Novo Testamento, também, os sinais realizados pelos apóstolos serviam para confirmar a palavra falada (Marcos 16:20; 2 Coríntios 12:12; Hebreus 2:3-4).

6. Não sei se Jesus é pecador, mas sei que ele me curou (9:25). O homem se mostra aberto para ouvir e compreender o significado do que aconteceu, mas ele não nega o fato básico que já confessou. Neste momento, ele está processando os dados e ouvindo os argumentos. Ainda chegará a sua convicção sobre o Cristo.

7. Já expliquei o que aconteceu; por que perguntaram de novo? Querem ser seus discípulos, também? (9:27). Por que perguntam? Este homem simples faz perguntas importantes. Perguntam por qual propósito? Estão realmente buscando a verdade, ou simplesmente procurando uma saída, uma maneira de negar os fatos? Nem todas as perguntas são honestas e boas, e nem todas merecem respostas (2 Timóteo 2:23-26; Tito 3:9). A outra pergunta aqui abre uma porta de oportunidade aos fariseus. O homem sugere o melhor motivo possível. Vocês, também, são pessoas honestas? Querem seguir esse profeta? Mas a mesma pergunta deu-lhes, também, uma saída. Poderiam continuar negando as evidências e usar as palavras do homem para condená-lo. Foi exatamente isso que decidiram fazer.

8. Vocês são os líderes religiosos, e não sabem de onde vem Jesus? Que estranho! Ele, obviamente, é de Deus! (9:30-33). A desonestidade dos fariseus, diante dos fatos apresentados, ficou bem evidente ao homem curado. As explicações deles não foram adequadas. Alguns alegaram que ele não fosse o mesmo homem cego de nascença, mas os próprios pais os desmentiram. Outros concluíram que Jesus não fosse de Deus, porque violou as regras dos fariseus sobre o sábado. Mas o homem curado viu a prova e decidiu ser discípulo do profeta chamado Jesus. A sua honestidade lhe custou caro. Ele foi expulso da sinagoga.

Ele falou com Jesus

A sua aceitação da pessoa que o curou levou este homem a ser rejeitado pelos homens. Mas Jesus não o abandonou. O Senhor o encontrou com o propósito de realizar uma obra maior ainda – abrir os seus olhos espirituais. Jesus abordou o assunto com uma pergunta simples mas profunda: “Crês tu no Filho do Homem?” (9:35).

9. Quem é o Filho do Homem, para que eu possa crer nele? (9:36). O milagre provou que Jesus era profeta, mas o homem ainda desconhecia a sua mensagem. Ele estava pronto para ouvir, ansioso para conhecer o Filho do Homem.

10. Creio, Senhor (9:38). Jesus se revelou, e o homem compreendeu o significado de tudo que havia acontecido. Jesus era profeta, mas mais ainda, era o esperado Messias. O homem que fez lodo foi o próprio Deus! Foi firmada a sua fé na divindade de Jesus, o “Eu Sou” que, há pouco, fora rejeitado pelos homens e quase apedrejado no templo (8:24,56-59), O homem fez o que todos os homens devem fazer diante de Jesus Cristo. Adorou-o. E Jesus, sabendo perfeitamente que a adoração pertence somente a Deus (Mateus 4:10), aceitou o louvor deste homem. Pelas suas ações, ele confirmou a conclusão do homem. Jesus é o eterno Deus.

O cego viu o que os líderes religiosos recusaram enxergar. Ele viu Jesus, o Ungido de Deus, o único verdadeiro Salvador.

Nós – todos nós – precisamos ver o que o cego viu. Precisamos chegar até Jesus, a nossa única esperança da vida eterna. Ele merece a nossa obediência e a nossa adoração.

–Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2016 Karl Hennecke, USA