Share Button

14º de uma série de artigos sobre a evangelização

Fazendo discípulos em Jerusalém e mais além

Depois da missão apostólica, o lugar mais conveniente para se buscar direção a respeito de evangelismo é o livro de Atos, onde nos é dado um relato do cumprimento da missão pelos apóstolos. De fato, pode-se considerar o uso de Atos numa abordagem histórica para explicar a cristandade aos que a procuram. Eu pensei durante muito tempo que essa abordagem, explicando apenas os desenvolvimentos conforme aparecem historicamente em Atos, tende a dar confiança de que se está tratando corretamente com o material, não manipulando as fontes de modo nenhum, mas apenas olhando para o que está lá. Eu ensino, às vezes, uma lição, cobrindo os quinze primeiros capítulos, que se desenvolve como se segue:

Achamos que as ordens de Jesus aos seus apóstolos podem ser resumidas em termos de três categorias principais. Ele ordenou-lhes que fizessem discípulos (Mateus 28:16-20), que pregassem o evangelho (Marcos 16:15-16), e que dessem testemunho de sua ressurreição como a grande demonstração de seu messiado e divindade (Atos 1:8,22). O livro de Atos registra o cumprimento destas ordens, primeiro em Jerusalém e após em todo o mundo do Mediterrâneo. Os apóstolos deram seu testemunho (Atos 2:32; 3:15; 5:32), proclamaram a boa nova (Atos 2:38; 3:19-21) e fizeram discípulos (Atos 6:1-2, 7).

Observe que todas as passagens citadas são tiradas do trabalho dos apóstolos em uma cidade. Os primeiros sete capítulos de Atos descrevem o trabalho apostólico em Jerusalém.

O que resultou do cumprimento da missão em Jerusalém? Quais eram essas pessoas que aceitaram a mensagem apostólica? O que ela fez deles? Eram judeus, naturalmente, mas isso não diz o bastante. Muitos judeus não aceitaram a mensagem e, mais tarde, muitas pessoas que nem eram judias aceitaram a mensagem, sem nunca se tornarem prosélitos judeus.

Aproveite o que puder de Atos 1 - 7. Essas pessoas eram chamadas crentes (Atos 2:44; 4:32). Elas eram discípulos de Jesus (Atos 6:1-2,7), ligando-se a ele na relação explicada em artigos anteriores. Elas eram pessoas salvas, libertadas dos seus pecados (Atos 2:40,47). Pode-se aprender um pouco sobre a adoração dessa gente (Atos 2:42,47) e depois completar o quadro das epístolas do Novo Testamento. Elas não ficaram isoladas umas das outras, mas uniram-se numa comunidade de discípulos, uma igreja (Atos 2:44; 5:11). (Observe as expressões intercambiáveis em Atos 8:1,3; 9:1-2,13-14, todas referentes às mesmas pessoas). Pode-se ler sobre a confraternidade e unidade do grupo (Atos 2:42,44; 4:32-35). Elas não constituíram nenhuma organização denominacional complexa. Elas eram simplesmente comunidades de pessoas que pertenciam a Jesus Cristo.

A perseguição dispersou a igreja fora de Jerusalém e a mesma mensagem foi levada pelos discípulos espalhados para Samaria (8:1-24), Damasco (9:1-25), Cesaréia (caps. 10, 11) e tão longe como a Fenícia, Chipre e Antioquia da Síria (Atos 11-19). Observe que os gentios eram recebidos e que não estamos lidando com uma coisa meramente judia. “Em Antioquia foram os discípulos pela primeira vez chamados cristãos” (11:26), um nome apropriado para eles, considerando-se o que era pregado (11:20), a quem as pessoas se convertiam (11:21), como eram exortados (11:23) e a quem eram acrescentados (11:24). Os discípulos em Jerusalém estavam interessados naqueles de outros lugares e reconheciam um parentesco espiritual com eles (Atos 11:22-24), mas ainda nenhuma organização denominacional se formara; somente comunidades locais de discípulos em vários lugares que eram como aquela de Jerusalém, exceto que algumas delas consistiam em sua maioria de pessoas não judias.

A primeira jornada de Paulo levou a mesma mensagem através do Mediterrâneo para a província romana da Galácia. Foram feitos discípulos em Chipre, Antioquia da Pisídia, Icônio, Listra e Derbe (caps. 13 - 14). Atos 14:23 aumenta nossa coleção de informações sobre estas comunidades de discípulos. Foram indicados anciãos em cada igreja. Outras passagens dizem quem esses anciãos eram e o que fizeram (veja Atos 20:17 e segs.; 1 Timóteo 3; Tito 1:5-9). As igrejas sentiam um parentesco entre si mas, novamente, não eram organizadas em uma denominação. Cada uma tinha seus anciãos, e isto era até onde a organização das igrejas podia ir sob a direção apostólica.

Com muitos gentios tornando-se cristãos, alguns judeus começaram a ensinar que não era suficiente ser apenas cristão; era preciso ser judeu cristão para ser salvo (Atos 15:1-5). Eles teriam transformado o cristianismo numa seita judia como a dos fariseus e a dos saduceus. Os cristãos seriam os judeus que aceitassem Jesus como o Cristo. A posição desses judaizantes é de especial significância nestes dias, quando as pessoas querem ser cristãos batistas, cristãos presbiterianos ou algum outro tipo de cristão.

Os apóstolos rejeitaram completamente esses mestres (Atos 15:24) e sustentavam que o Senhor queria que as pessoas fossem apenas cristãos, desembaraçados de sectarismo e livres para segui-Lo aonde quer que isso pudesse conduzi-los.

por L. A. Mott. Jr.


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA