Share Button

Bem-vindo à vizinhança

Nenhum amor tinha sido desperdiçado entre judeus e samaritanos desde os dias do Retorno, quando os chefes samaritanos intrigavam continuamente para evitar a reconstrução de Jerusalém. Nos dias de Jesus a relação entre eles ainda estava amarga. Os judeus não tinham negócios com samaritanos (João 4:9) e usavam esse termo como a máxima expressão de ofensa (João 8:48). As aldeias de Samaria não eram hospitaleiras para os judeus que viajavam através da região para Jerusalém (Lucas 9:51-55). Durante o reinado de Cláudio César, alguns samaritanos massacraram um grupo de peregrinos judeus na fronteira ao norte da aldeia de Ginae (Antigüidades, XX, xi, 1).

Isto explica porque Jesus usou um samaritano para ilustrar o significado de amor ao próximo. O exemplo falou diretamente ao preconceito judeu. Na história do Senhor, este pária mestiço foi o único que teve suficiente compaixão para se deter e ajudar um homem desesperadamente ferido (Lucas 10:25-37). Mais do que meramente tocado pela tragédia do homem, o samaritano agiu. Ele gentilmente tratou seus ferimentos e o transportou para a estalagem mais próxima, onde fez providências para o seu completo tratamento. Isto não foi um gesto de grandeza, mas de pouca duração. Sua preocupação e envolvimento foram totais.

Quando Jesus terminou de contar a história do homem roubado e espancado pelos ladrões e concluiu com a pergunta “Quem mostrou ser o próximo daquele que caiu nas mãos dos ladrões?”, o advogado que tinha começado esta conversa estava, provavelmente, desejando nunca ter aberto a boca. Ele tinha evidentemente levantado a questão sobre o que se tinha que fazer pra herdar a vida eterna meramente por amor à argumentação, mas Jesus tinha-o compelido a responder sua própria questão. Ele tinha feito a pergunta sobre quem era seu próximo somente para escapar do embaraço, mas agora ele tem que responder de novo. Não querendo nem identificar o samaritano, o advogado diz: “Aquele que mostrou misericórdia com ele”. Em conseqüência, Jesus muda tudo da teoria para a prática. “Vai, e faze o mesmo”, ele disse.

Lucas não registra o impacto de tudo isto sobre o advogado. Uma coisa é certa. Ele tinha aprendido bastante sobre o tamanho de sua vizinhança. Ela era tão ampla como o mundo todo, e seu próximo era qualquer um que precisasse de sua ajuda.

Houve outras lições, também. O sacerdote e o levita estavam errados, pondo o sacrifício adiante da bondade. Amar a Deus não torna uma pessoa sem misericórdia para com os homens. Jesus tinha uma vez defendido este ponto a partir das palavras de Oséias: “Misericórdia quero e não holocaustos” (Mateus 9:13). João, mais tarde, poria isto em termos simples. Se alguém disser: Amo a Deus, e odiar a seu irmão, é mentiroso; pois aquele que não ama a seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê” (1 João 4:20). Mesmo um compromisso de adorar a Deus não pode justificar o voltar as costas ao sofrimento. Se nos encontramos, em nossa paixão por Deus, abandonando toda a consideração por outros, podemos ter certeza de que estamos sob o domínio de uma paixão ilegítima. Há quem seja da tragicamente errada persuasão de que qualquer maltrato a outros é justificado quando se está tentando manter a verdade de Deus.

Mais outra lição é encontrada na verdade que o samaritano não estava respondendo a alguma nobreza [observada] no infeliz estrangeiro. Ele não tinha idéia do caráter moral do homem. Amor ao próximo não é resposta à bondade de outros, mas à sua necessidade. Tivesse o homem caído em tais desesperadas aperturas por seu próprio descuido, isso não teria mudado nada. Ele poderia ter sido um judeu que tivesse tratado samaritanos com desprezo simplesmente pelas lembranças agitadas das injustiças de outros. Não é fácil esquecer injúrias antigas e elas são rapidamente generalizadas a populações inteiras. Mas o verdadeiro amor ao próximo se move somente pela preocupação pelo que em circunstâncias similares se quereria para si mesmo. Não é uma resposta ao desinteresse dos outros, mas um ato de amor puro para com aqueles que talvez nunca nos tenham mostrado amizade de maneira nenhuma.

Finalmente, há esta lição fundamental, abrangente. Quando perguntado sobre quem obtém vida eterna, Jesus remeteu o advogado diretamente de volta às Escrituras. Em nossa busca por respostas a questões transcendentes, estamos indevidamente dispostos a pensar que a Bíblia seja muito difícil de oferecer respostas claras. O Senhor sabe mais. A palavra de Deus é bastante clara para aqueles que querem fazer sua vontade. Tivéssemos hoje em dia a oportunidade de ficar na presença do próprio Filho de Deus e levantar nossas questões difíceis com ele, Jesus nos diria o que disse ao advogado judeu. “O que está escrito na palavra de Deus? Como você a lê?” As respostas estão ali, basta termos coragem para recebê-las e aplicá-las.

–por Paul Earnhart


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA