Share Button

Aonde chegamos!

Foi um dia de profunda tristeza, o primeiro dia de desastre na história do mundo. Eva cedeu à palavra da serpente, e Adão seguiu o erro dela. A inocência foi perdida, o pecado consumado, o casal expulso. Não andariam mais no paraíso terrestre. Não teriam mais acesso à árvore da vida. Pior ainda, não estariam próximos de Deus. 

Começou o reinado da morte. Gênesis 5 chama a nossa atenção pelas vidas longas na genealogia registrada, mas o ponto principal do capítulo é outro. O fato marcante não é que homens viveram séculos, alguns passando de 900 anos. O ponto repetido oito vezes no capítulo, com um certo ritmo melancólico, é que morreram. Geração após geração chega ao mesmo fim – “... e morreu”. 

Mas, no meio de tanto fracasso e tristeza, aparecem raios de esperança. No dia que o pecado contaminou o mundo, Deus falou da solução que viria – um descendente da mulher que esmagaria a serpente (Gênesis 3:15). No meio a tantos relatos de morte, Enoque andou com Deus e foi poupado desse fim (Gênesis 5:24). Como a luz bruxuleante de um farol distante, esses versículos ofereciam esperança de uma saída do desespero criado pelo pecado do homem. 

Mas o navio estava longe do porto e, às vezes, a neblina de confusão envolvia os homens pecadores de tal maneira que a esperança foi praticamente perdida. Mesmo nos momentos em que os homens tiveram oportunidades de aproximar de Deus, não suportaram a luz brilhante da presença divina. Nem queriam ficar perto da montanha de Deus (Êxodo 20:18-21). Moisés subiu como representante do povo, um mediador entre Israel e Deus, mas ele tinha suas próprias falhas. 

Deus revelou, por meio de Moisés, um sistema de sacerdotes e sacrifícios. Mas homens imperfeitos oferecendo o sangue de animais não conseguiram resolver o problema. A luz do farol ficou mais visível, talvez, mas os próprios sacerdotes eram sujeitos ao pecado e à morte (Hebreus 7:23,27), e “o sangue de touros e de bodes” não removeu a mancha do pecado (Hebreus 10:4). 

O esquema do tabernáculo e do acampamento do povo de Israel no deserto ilustram o problema do homem. Um mapa simples mostra como foi difícil – até impossível – chegar a Deus. Um homem de Judá, por exemplo, teria que passar pelos levitas e, especificamente, pelos sacerdotes, para chegar ao tabernáculo. Os sacerdotes agiriam como representante dele, levando o incenso de suas orações (Salmo 141:2) até o altar de incenso no Santo Lugar. O aroma do incenso passaria pelo véu do tabernáculo para chegar ao Santo dos Santos, o lugar que representava a presença de Deus. Apenas uma vez por ano, o Sumo Sacerdote entraria no Santo dos Santos para levar o sangue de um sacrifício pelo povo. A própria organização do acampamento, junto com o sistema de serviço por intermediários, relembrou as pessoas de como era difícil chegar a Deus. 

Os séculos passaram, e a situação continuou difícil. O próprio povo escolhido se distanciou mais ainda de Deus, erigindo uma barreira de iniqüidade entre Deus e os homens (Isaías 59:1-2). O homem era incapaz de escalar o muro alto que o separou de Deus. Durante muitos anos, homens pecadores sentiam o mesmo desespero que Paulo expressou quando clamou: “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” (Romanos 7:24). 

A resposta à pergunta de Paulo é a resposta à necessidade do homem: “Graças a Deus por Jesus Cristo...” (Romanos 7:25). Foi Jesus que fez seu tabernáculo entre os homens, agindo como a escada de acesso ao céu (João 1:14,51). Ele é o intermediário – o único Mediador – entre Deus e os homens (1 Timóteo 2:5). Ele se tornou sacerdote eterno e sacrifício eficaz (Hebreus 9:12-14,28). Tirou as barreiras e nos deu acesso a Deus! 

Aonde chegamos? Não chegamos ao monte Sinai, nem ao sistema da lei revelada a Moisés naquela montanha (Hebreus 12:18-21). Jesus nos traz a outro lugar, muito superior. Medite bem nas bênçãos resumidas em Hebreus 12:22-24: “Mas tendes chegado ao monte Sião e à cidade do Deus vivo, a Jerusalém celestial, e a incontáveis hostes de anjos, e à universal assembléia e igreja dos primogênitos arrolados nos céus, e a Deus, o Juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados, e a Jesus, o Mediador da nova aliança, e ao sangue da aspersão que fala coisas superiores ao que fala o próprio Abel.” Com os nossos pecados perdoados pelo sacrifício de Jesus, podemos chegar a Deus!

- Dennis Allan


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA