Share Button

11º de uma série de artigos sobre a evangelização
O discipulado e a palavra do Mestre

Entre as últimas diretrizes que Jesus deu aos seus apóstolos, ao enviá-los ao mundo, estava a ordem: “Fazei discípulos de todas as nações” (Mateus 28:19). Nesta altura da minha exposição sobre a comissão apostólica, estou esforçando-me por reunir e discuitr as passagens do Novo Testamento que esclarecem de algum modo o significado do discipulado. Da última vez, analisamos Lucas 14:25-35. Desta vez passamos para o evangelho de João, que contém três ou quatro passagens de especial importância para o assunto.

Como frisam os léxicos gregos, o emprego que o Novo Testamento faz da palavra mathetes (discípulo) vai de uma referência estreita e limitada aos apóstolos (por exemplo, “os seus doze discípulos” – Mateus 10:1) até o sentido mais abrangente de “toda a multidão dos discípulos” (Lucas 19:37; veja 6:17), às vezes aparentemente encerrando todos os que se ligavam a ele, ouvindo os seus ensinamentos, ainda que o compromisso deles fosse superficial. O evangelho de João distingue essa multidão de discípulos superficiais daqueles que desejavam ser, verdadeiramente, seus discípulos.

Devemos começar no capítulo 6 de João. Observe que a “numerosa multidão” que seguiu a Jesus para o lado leste do mar da Galiléia distinguiu-se no primeiro momento de “seus discípulos” (João 6:2-3,5,8,12 e, especialmente, 16-17, 22- 24). A alimentação milagrosa dos cinco mil estimulou a multidão, cuja conclusão foi que ele era “verdadeiramente, o profeta que devia vir ao mundo” (6:14), com a conseqüência de que “estavam para vir com o intuito de arrebatá-lo para o proclamarem rei” (6:15). Jesus, portanto, agiu rapidamente para separar os seus discípulos desse entusiasmo equivocado, e os compeliu a atravessarem o mar de barco (6:15-21; veja Marcos 6:45). A multidão logo o seguiu, entretanto, e achou Jesus numa sinagoga em Cafarnaum (6:22- 25,59). Mas Jesus reconheceu a motivação materialista no ato de o buscarem (6:26), e o ensino que se seguiu na sinagoga tratava da verdadeira natureza de sua missão e obra, tendo o efeito de desafiar a profundeza do compromisso desse povo, peneirando a multidão.

A multidão tropeçava com a noção de um Messias que daria sua vida para conceder vida eterna aos que o recebessem (6:48-59). Queriam o pão físico que sustentaria a vida por um momento. Eles não queriam, de forma alguma, o pão pelo qual poderiam viver para sempre. 

Na grande crise resultante, a palavra discípulo é aplicada num sentido mais
abrangente (6:60-61,66). Apesar dos maiores esforços de Jesus, “muitos dos seus discípulos o abandonaram e já não andavam com ele” (6:66).

O abandono foi tão completo que Jesus até se voltou aos doze com a triste pergunta: “Porventura, quereis também vós outros retirar-vos?” (6:67). Mas Pedro foi rápido em responder: “Senhor, para quem iremos? Tu tens as palavras da vida eterna(6:68). 

Eu trouxe você até aqui para concluir que os verdadeiros discípulos têm um compromisso de todo o coração com as palavras de vida de Jesus Cristo. Encontraremos essa conclusão expressa em tantas palavras quando lemos João 8:31.

Dessa vez, o conflito de Jesus com os judeus aconteceu na Judéia. O assunto era, mais uma vez, a missão e a natureza de Jesus. João diz que “muitos creram nele” (8:30). Agora escute: “Disse, pois, Jesus aos judeus que haviam crido nele: Se vós permanecerdes na minha palavra, sois verdadeiramente meus discípulos; e conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (8:31-32).

Observe: esses crentes eram crentes não-salvos — ainda não estavam “ livres”. Eram escravos do pecado, como Jesus continua explicando (8:33-34). Os que afirmam que aquele que recebe a vida eterna por meio de uma crença interior, que não incluiu atos de obediência, devem prestar atenção. 

Observe, também, que os verdadeiros discípulos agem de acordo com a palavra de Jesus. Aliás, andar de acordo com a palavra é uma condição para sermos discípulos verdadeiros”. 

Então devemos dizer sem rodeios, arriscando até ofender alguns, que os que tomam o nome “cristão” devem ser discípulos de verdade. Aqueles que defendem a salvação sem cumprir a vontade revelada por Deus não tem nenhum direito de se chamar cristãos. Os “discípulos” foram chamados de cristãos nas Escrituras (Atos 11:26).

Se esses defensores da “graça fácil” são ignorantes, devem aprender. Se estão fingindo, devem ser condenados. Qualquer que seja o caso, devem arrependerse ou enfrentar o julgamento despreparados.

por L. A. Mott, Jr


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA