Share Button

Honrar a disciplina divina

Vivemos numa era indisciplinada. Os tribunais relutam em aplicar aos malfeitores o castigo devido, temendo que um tribunal superior revogue a sentença alegando que ela “é cruel e inusitada”. A polícia tem medo de usar a força para conter infratores da lei para que não seja acusada de brutalidade. Muitos pais, engolindo o psico-blablablá que está por toda parte, mimam os filhos rebeldes. É especialmente socialmente incorreto bater nos filhos.

Num tal ambiente é decepcionante, porém não surpreendente, que a disciplina de irmãos e irmãs infiéis em Cristo tenha sido grandemente negligenciada. Temo que neste assunto muitos de nós tenham-se conformado com este mundo (Romanos 12:2). Mesmo quando uma congregação reúne a força espiritual para se apartar de alguém que está andando “desordenadamente” (2 Tessalonicenses 3:6), o efeito desejado é diminuído por uma minoria que deixa de honrar “a punição pela maioria” (2 Coríntios 2:6).

O propósito da disciplina corretiva é que a pessoa seja salva “no dia do Senhor [Jesus]” (1 Coríntios 5:5). Este é um nobre motivo, e quem melhor do que o Espírito Santo sabe como cumprir tal meta? Contudo, este lamento é ouvido: “Vocês apenas os afastarão ainda mais ao se apartarem deles”. Esta atitude mostra uma falta de fé na palavra de Deus.

Como resultado de nosso fracasso em falar a mesma coisa (1 Coríntios 1:10) neste assunto, alguns cristãos inclinam-se a ignorar o mandamento a não se associar com ele, “para que fique envergonhado” (2 Tessalonicenses 3:14). Outros farão tudo o possível para ter certeza de que não comem com esse tal (1 Coríntios 5:11), mas se associarão com ele de outros modos.

Este problema é ampliado entre aqueles que são aparentados com o cristão que está sendo disciplinado. É assumido (ainda que não revelado) que, quando um membro de nossa própria família física é corrigido, podemos continuar nossa relação social como de costume. Isto, eu temo, tem o efeito de colocar a relação física num nível superior ao da relação espiritual.

Cristãos que têm um membro da família que voltou suas costas ao Senhor têm um fardo pesado a suportar. Somos lembrados que se amamos pai, mãe, filho ou filha mais do que ao Senhor, somos “indignos” dele (Mateus 10:37). Jesus comparou isto com a cruz que ele tinha que levar, dizendo, “e quem não toma a sua cruz e vem após mim não é digno de mim” (Mateus 10:38).

Se realmente cremos que o Senhor sabe mais, quando temos um amado que tem resistido à correção e precisa de disciplina, insistiremos que a igreja faça o que é melhor para ele. Então nos juntaremos a outros irmãos e irmãs em Cristo para tirar dele o que ele deseja mais: nossa aprovação e associação. Se nós que somos mais íntimos dele deixarmos de honrar o afastamento, poderemos estar retirando o único e mais poderoso incentivo para sua salvação.

por Al Diestelkamp


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA