Share Button

A persuasão e o evangelho

Na ocasião quando o apóstolo Paulo apresentou o evangelho de Cristo ao Rei Herodes Agripa II, a memorável resposta de Agripa foi: “Por pouco me persuades a me fazer cristão” (Atos 26:28). É difícil saber com certeza se o rei era sincero ao fazer esta declaração. Ele pode ter sido sarcástico.

 Em ambos os casos, sua observação sobre quase ser persuadido a se tornar um cristão sugere algumas linhas de pensamento interessantes.

Para começar, ser um cristão exige tornar-se conscientemente um deles. Ninguém jamais, inconscientemente (ou mesmo subconscientemente) sofreu a transformação envolvida em se tornar um cristão, de tal modo que ele acordasse um dia para a percepção de que tinha evoluído, por bem ou por mal, num discípulo de Cristo. Ao contrário, toda pessoa que jamais se tornou um cristão decidiu ser tal coisa; ele fez algumas coisas definidas que são exigidas. O evangelho é uma mensagem que precisa ser obedecida (Atos 6:7; 2 Tessalonicenses 1:8; Hebreus 5:9; 1 Pedro 4:17, etc).

Em alguns círculos tem-se a impressão de que se pensa que se tornar um cristão é, principalmente, se não totalmente, uma experiência emocional. A verdade é, contudo, que se tornar um cristão resulta de uma conversão do intelecto e da vontade, tão bem como das emoções. Para a mudança da posição de não ser cristão para a posição de ser um deles, precisa-se aprender verdades particulares e exercitar sua vocação para responder a essas verdades de modos que são especificados no próprio evangelho (Marcos 16:16; Atos 3:19; Romanos 10:9-10). Ninguém jamais se tornou cristão sem um ato de vontade.

Persuasão” é o movimento da vontade por razões irresistíveis dadas. E desde que se tornar um cristão envolve um ato de vontade, não pode haver real conversão a Cristo sem esta coisa chamada “persuasão”. A uma pessoa devem ser dadas razões suficientes para fazer as coisas que têm que ser feitas, ou então ela não fará o que deve para obedecer ao evangelho. Evidentemente, Agripa supunha que Paulo tinha dado razões “quase” suficientes para mover sua vontade a obedecer a Cristo. Aqueles que também escolheram tornar-se cristãos diriam que Agripa subestimou o peso das razões que lhe foram dadas. De qualquer modo, parece que Agripa entendeu, até certo ponto, que se tornar um cristão exige ser persuadido a agir nessa direção.

As Escrituras enfatizam consistentemente que tanto crença no evangelho como obediência a ele brotam da evidência que o evangelho é verdadeiro. João disse, “Estes, porém, foram registrados para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e para que, crendo, tenhais vida em seu nome” (João 20:31). E Paulo escreveu que para ser salvo é necessário chegar ao “pleno conhecimento da verdade” (1 Timóteo 2:4; veja 2 Timóteo 2:25). Não se obedece ao evangelho a menos que se tenha sido persuadido que ele é verdadeiro e persuadido a agir na base de sua crença. Convicções sobre o evangelho e a conduta que se origina destas convicções são sempre resultado de persuasão (Romanos 10:14-17).

É admirável, quando se pensa nisso, que Deus tenha escolhido depender de persuasão, em vez de correção, para trazer homens e mulheres de volta a si. Ele se revela a nós através do meio da linguagem, palavras que podem ser entendidas e trabalhadas (Efésios 3:3-4). E Paulo falou com gratidão pela vontade de alguns de serem mudados pelo evangelho: “Outra razão ainda temos nós para, incessantemente, dar graças a Deus: é que, tendo vós recebido a palavra que de nós ouvistes, que é de Deus, acolhestes não como palavra de homens, e sim, como, em verdade é, a palavra de Deus, a qual, com efeito, está operando eficazmente em vós, os que credes” (1 Tessalonicenses 2:13).

Os apóstolos de Cristo não eram apenas comunicadores e persuasores; eles eram comunicadores com a autoridade das palavras pelas quais Deus busca persuadir a humanidade. Paulo escreveu: “Ora, tudo provém de Deus que nos reconciliou consigo mesmo por meio de Cristo e nos deu o ministério da reconciliação, a saber, que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo, não imputando aos homens as suas transgressões, e nos confiou a palavra da reconciliação” (2 Coríntios 5:18-19).

Através das palavras dos apóstolos, então, o propósito de Deus é persuadir-nos a aceitar a reconciliação com ele, através de Jesus Cristo. Falando de si mesmo e dos seus companheiros apóstolos, Paulo disse: “De sorte que somos embaixadores em nome de Cristo, como se Deus exortasse por nosso intermédio. Em nome de Cristo, pois, rogamos que vos reconcilieis com Deus” (2 Coríntios 5:20). Deus nos dá razões para escolher aceitar reconciliação no evangelho de seu filho. Mas tome boa nota: o céu será povoado pelos inteiramente, e não pelos quase persuadidos!

por Gary Henry


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA