Share Button

Os desafios na vida do novo cristão (10)
Cristãos de segunda geração

É costume dizer que "Deus não tem netos". Esse ensino ressalta que a fé não pode ser herdada de geração para geração; cada pessoa deve assumir a responsabilidade de sua própria fé e de seu relacionamento com Deus. Deus deu a cada ser humano o privilégio de se tornar seu filho por meio da fé em seu Filho unigênito, Jesus Cristo (João 1:12; 3:16). O mesmo autor que registrou esses versículos maravilha-se conosco no que diz respeito ao amor que "nos tem concedido o Pai, a ponto de sermos chamados filhos de Deus" (1 João 3:1), e o apóstolo Paulo lembra-nos de que, se estamos "em Cristo Jesus", o próprio Espírito Santo testifica que somos "filhos de Deus" (Romanos 8:1,16).

"Cristãos de segunda geração" pode dizer respeito a uma situação encontrada pelos cristãos ao incutir uma "fé igualmente preciosa" no coração de seus filhos. Os pais, sem dúvida, têm a responsabilidade de ensinar os seus filhos, criando-os "na disciplina e na admoestação do Senhor" (Efésios 6:4). Na verdade, as instruções para que os pais ensinassem eram um aspecto da lei mosaica (veja Deuteronômio 6:6-9 ou Josué 4:21-23). Ao longo da história, os pais têm tido dificuldade de "formar Cristo" em seus filhos (veja Gálatas 4:19).

Entretanto, ainda que difícil, levar os nossos filhos a uma fé madura não é impossível, e alguns de nós, cujos pais e avós serviram de exemplo cristão, podem entender o lembrete que Paulo deu a Timóteo a respeito da vantagem que ele tinha de ver a fé da mãe e da avó, ainda que seu pai gentio exercesse uma contra-influência suficiente para que Timóteo não tivesse se circuncidado até se tornar adulto (veja 2 Timóteo 1:5; Atos 16:1-3). A dificuldade de criar os filhos em meio a uma "geração perversa" (Atos 2:40) não deve nos impedir de seguir o exemplo de Eunice e Lóide.

A expressão "cristãos de segunda geração" pode ser também empregada com referência àqueles que, embora não sejam descendentes consangüíneos, podem, mesmo assim, ser chamados "filhos na fé". O pai biológico de Timóteo pode não ter compartilhado da fé da esposa e do filho, mas ainda assim Timóteo tinha um "pai no evangelho" - o próprio apóstolo Paulo, que muitas vezes tinha o prazer de se referir a Timóteo como "filho na fé" (1 Timóteo 1:2, 18). O apóstolo João lembra-nos que não pode haver "maior alegria do que esta, a de ouvir que meus filhos andam na verdade" (3 João 4). Sem dúvida, alguém que ensinou a alguém, ou lhe batizou, ou de alguma forma o levou a Jesus, e esta pessoa está desde então crescendo até chegar a ser um presbítero ou está levando o evangelho a um lugar distante ou difícil, ou está entregando a palavra a crentes fiéis que também podem ensinar (2 Timóteo 2:2), pode servir de testemunha da emoção de que João fala.

Assim como é natural que um "pai no evangelho" sinta essa alegria, é também natural que o "filho na fé" tenha um sentimento de respeito por alguém que trabalhou, até se sacrificou, para ensinar as boas novas e, freqüentemente, é considerado "superior" na experiência e no conhecimento. Não há nada de errado com esses sentimentos, desde que aprendamos a não exaltar homens acima do que está escrito (1 Coríntios 4:6), lembrando-nos de que, quem quer que plante ou regue a semente, é Deus "que dá o crescimento" (1 Coríntios 3:6-7). A Bíblia nos instrui a render honra a quem honra (Romanos 13:7), quer pais carnais (Efésios 6:2), quer outros que nos ensinam a verdade e cuidam de nossas almas (1 Timóteo 5:17; Gálatas 6:6).

Mas os problemas surgirão, quando levamos esses sentimentos naturais muito longe, pensando nos homens "além do que está escrito". Apesar dos sentimentos legítimos de gratidão, respeito e lealdade por alguém que nos ensinou a verdade, não ousamos permitir que esses sentimentos por um pai espiritual ou mesmo terreno ultrapassem a nossa devoção e lealdade ao Pai celeste, ou permitir que os sentimentos de parentesco com outro ser humano justifique as ações dele quando ele violar a vontade do Pai celeste. Muitos de nós conhecem a alegria de ver os nossos filhos "andando na verdade"; em contrapartida, muitos já experimentaram a dor de ter um "filho pródigo". Talvez tão doloroso seja ver um pai terreno ou espiritual ensinar doutrina falsa ou mesmo abandonar o Senhor completamente. Nessas horas, devemos lembrar-nos quem é o nosso verdadeiro Pai.

Por fim, é claro, é essa tarefa de achar o "Pai verdadeiro" que deve ocupar o nosso percurso terreno. Com os nossos "filhos na fé" e mesmo com nossos filhos físicos, em certo sentido somos apenas pais que cuidam dos filhos de outrem. Os nossos filhos são feitos à imagem de Deus, e, assim como uma criança adotada é tomada freqüentemente do desejo irresistível de localizar os seus pais biológicos, assim devemos incutir em todos os nossos filhos, e em nós mesmos, o mesmo sentimento de necessidade e fervor para encontrar o nosso Pai que está no céu. Na verdade, Deus não tem netos.

-por Steve Wolfgang

Leia mais sobre este assunto:
Os Desafios na Vida do Novo Cristão 


ESTUDOS BÍBLICOS       PESQUISAR NO SITE       MENSAGENS EM ÁUDIO      MENSAGENS EM VÍDEO     

ESTUDOS TEXTUAIS      ANDANDO NA VERDADE     O QUE ESTÁ ESCRITO?      O QUE A BIBLIA DIZ?

 

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Todos os artigos no site usados com permissão dos seus autores e editoras, que retêm direitos autorais sobre seu próprio trabalho. / 
All of the articles on this site are used with permission of their authors and publishers, who retain rights of use and copyright control over their own work.

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©1995-2015 Karl Hennecke, USA