A propiciação pelos nossos pecados

Embora outras palavras semelhantes apareçam na Bíblia, a palavra grega (hilasmos) traduzida "propiciação" em 1 João 2:2 e 4:10 aparece somente estas duas vezes no Novo Testamento. É uma palavra rica que descreve um aspecto importantíssimo da salvação.

Outras palavras que descrevem a salvação falam em termos do pecado (perdão) ou do pecador (redenção, remissão, etc.). Mas, a propiciação aborda o problema do pecado em relação a Deus. Literalmente, a idéia da propiciação é de aplacar ou acalmar a ira de Deus. Esta palavra nos dá motivo para frisar alguns aspectos importantes da nossa salvação em Cristo:

A ira de Deus

O mesmo livro que fala sobre a propiciação afirma que "Deus é amor" (1 João 4:7). Infelizmente, uma imagem distorcida do amor de Deus tem prejudicado o nosso entendimento da salvação. Muitas pessoas hoje acreditam na bondade de Deus, mas não na severidade (Romanos 11:22). Acreditam na vida eterna, mas não no castigo eterno (Mateus 25:46). A Bíblia claramente afirma que o mesmo Deus que nos ama exige um sacrifício para acalmar a sua ira. As idéias de amor e ira são reunidas no mesmo versículo quando João afirma: "Nisto consiste o amor: não em que nós tenhamos amado a Deus, mas em que ele nos amou e enviou o seu Filho como propiciação pelos nossos pecados" (1 João 4:10).

No evangelho segundo João, o mesmo capítulo que afirma o amor sem limite de Deus (veja João 3:16) nos lembra da separação que haverá entre os fiéis e os rebeldes: "Por isso, quem crê no Filho tem a vida eterna; o que, todavia, se mantém rebelde contra o Filho não verá a vida, mas sobre ele permanece a ira de Deus" (João 3:36). O verbo "permanecer", usado aqui, esclarece a natureza da ira de Deus. Não é aquela explosão de raiva que, às vezes, domina o homem. A ira de Deus é constante, pois vem do caráter justo dele. Ele sempre odeia o pecado, sempre detesta a iniqüidade, e a ira dele sempre permanece sobre os rebeldes (Romanos 1:18). A ira de Deus não vai e vem por capricho divino, mas é a conseqüência da nossa desobediência. Qualquer conceito do amor que exclui o castigo e a justiça apresenta uma doutrina pervertida sobre Deus.

A paz com Deus

Embora a palavra propiciatório do Velho Testamento vem de outra língua, a idéia que ela representa ilustra bem um aspecto da propiciação. O propicia-tório era a tampa da arca da aliança, o lugar onde o sumo sacerdote chegava anualmente com o sangue do sacrifício feito pelos pecados do povo. Neste lugar, homens ímpios foram reconciliados com o Deus santo, por meio do sangue. Mas os sacrifícios e os sacerdotes do Velho Testamento foram tipos imperfeitos de Jesus. Ele uniu os papéis de sumo sacerdote e sacrifício quando morreu pelos nossos pecados (Hebreus 8:3; 9:11-12). Ele é a nossa paz, nos reconciliando com Deus mediante a cruz (Efésios 2:14,16).

A justiça de Deus

A propiciação de Jesus enfatiza a justiça de Deus. Ele não pode aceitar o pecado. Qualquer "solução" ao problema do pecado que não respondesse a realidade de sua ira negaria o seu próprio caráter justo. Ele é santo e justo. A justiça dele exige a penalidade apropriada pelo pecado: a morte (Romanos 6:23). Quando Jesus apresentou seu próprio sangue como oferta pelo pecado, ele aplacou a ira de Deus. Ele pagou o preço. A dívida não foi simplesmente esquecida; ela foi paga pelo Filho amado. Esta é a verdade apresentada no riquíssimo texto de Romanos 3:26: "...para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus."

O amor de Deus

O amor se manifesta, sem negar a justiça, no ato sacrificial de Jesus. Deus Pai, "nos regenerou para uma viva esperança, mediante a ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos" nos resgatando "pelo precioso sangue...o sangue de Cristo" (1 Pedro 1:3,18-19).

Advogado e propiciação

1 João 2:1-2 apresenta Jesus em relação ao cristão. Como os redimidos de Deus, devemos fazer tudo para evitar o pecado em nossas vidas. João escre-veu para nos incentivar a não pecar. Mas, se eu, como cristão,pecar? Estou perdido para sempre? Não! Ainda resta a esperança que temos em Jesus. Como Advogado nos defendendo, Jesus paga o preço dos nossos pecados para nos reconciliar com o Pai. Para usufruir dessas grandes bênçãos em Cristo, devemos sempre "andar assim como ele andou" (1 João 2:6).

-por Dennis Allan

Leia mais sobre este assunto:
A Expiação

Um Cordeiro levado ao matadouro

E se eu pecar?


ESTUDOS BÍBLICOS     PESQUISAR NO SITE     MENSAGENS EM ÁUDIO    
MENSAGENS EM VÍDEO   
ESTUDOS TEXTUAIS    ANDANDO NA VERDADE  
O QUE ESTÁ ESCRITO?
  
O QUE A BIBLIA DIZ?

O Que Esta Escrito?
 
©1994, ©1995, ©1996, ©1997, ©1998, ©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008, ©2009
 Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970.

Andando na Verdade
©1999, ©2000, ©2001, ©2002, ©2003, ©2004, ©2005, ©2006, ©2007, ©2008
Redator: Dennis Allan, C.P. 60804, São Paulo, SP, 05786-970

Estudos Bíblicos
estudosdabiblia.net
©2014 Karl Hennecke, USA